A culpa não é do povo

O carioca, desde muito antes da pandemia, já convive com os problemas nos transportes

Por O Dia

Rio - Quem assiste pela TV as imagens dos ônibus lotados, BRT e outros transportes do Rio de Janeiro, que nem fecham as portas de tanta gente durante a quarentena, deve achar: “Nossa, que absurdo! O povo não respeita nada, o governante manda ficar em casa e o povo está na rua!”

Ok, tudo bem... Realmente muita gente não respeita o isolamento... É o que mais a gente vê por aí. Mas eu te garanto que 90% que estão naquela lata de sardinha, não têm a opção de ficar em casa e têm que ir pra labuta.

O carioca, desde muito antes da pandemia, já convive com os problemas nos transportes... A culpa não é de quem depende do transporte público!

Se o povo está lotando tudo que é veículo, é porque, com certeza, está faltando na rua! Nenhuma autoridade tem o direito de chegar e falar para o motorista do ônibus: “Ah, se o o ônibus estiver cheio, segue viagem, não pare no ponto.”

Não! É preciso que se coloque mais ônibus nas ruas, BRT, disco-voador... O que quer que seja! Que as novas medidas implementadas deem efeito, para que o número de infectados não aumente.

Mas que é uma canalhice do caramba culpar o povo que precisa tanto levar o sustento pra casa, ainda mais nessa época difícil, ah isso é!

3,2,1... É DEDO NA CARA!


PINGO NO I

Médico e professor de doenças infecciosas da UFRJ, Edmilson Migowski - Divulgação
Os cuidados com o ser humano e o ambiente são medidas imprescindíveis na retomada e manutenção das atividades de trabalho. Tais cuidados não se restringem à prevenção da Covid-19, mas de muitas doenças infecciosas e alérgicas do cotidiano. A quarentena horizontal, aos poucos, se tornará em quarentena vertical...

E daqui pra frente, muitas empresas vão ter que lidar com essa nova realidade. O médico e professor de doenças infecciosas da UFRJ, Edmilson Migowski, já presta consultorias em empresas de diferentes segmentos, com o intuito de, aos poucos, retomarem suas atividades.

“A empresa que tem interesse em minimizar os afastamentos e aumentar a produtividade, deverá cuidar das pessoas e da estrutura da empresa. Tratar o ambiente não será apenas uma necessidade, mas uma obrigação absoluta”, conta Migowski.

Vários estabelecimentos fechados durante a quarentena já passam pela sanitização de seus espaços físicos, como contou o diretor da empresa SAS, especializada no serviço.

“Tratar ambientes combatendo microrganismos será um item observado por todos, clientes e colaboradores.”

Bora colocar o Pingo no I...

Ambiente de trabalho seguro é aquele que não permite vírus algum se criar! Essas são as lições que essa pandemia toda vai deixar.

TÁ BONITO!

Caixas estão espalhadas em várias partes do bairro - divulgação
É como diz o ditado, né? Uma mão lava a outra... E não tem nada melhor nesse momento do que ser solidário a quem precisa.

Quem passa pela Praça Saens Pena, na Tijuca, pode, de forma bem fácil e barata, ajudar aqueles que estão em situação de rua. É só distribuir garrafas de águas para beber e, para o mais importante... Fazer a higiene das mãos.

Caixas estão espalhadas em várias partes do bairro... Ah, não vai esquecer do sabão, hein Parabéns aos moradores pela iniciativa e que a ideia se espalhe para todo o Rio!

Por isso, se você me perguntou se tá feio ou tá bonito... A melhor forma de eliminar esse vírus é a união, mesmo que de longe, e tenho dito.

Comentários