Uma fila de problemas

Em tempos de quarentena, a maioria do povo não consegue ficar em isolamento por muito tempo

Por O Dia

-

A gente sabe que, infelizmente, a realidade do dia a dia é bem diferente do que a gente gostaria. Em tempos de quarentena, a maioria do povo não consegue ficar em isolamento por muito tempo... Não porque não quer, e sim porque precisa sair!

As pessoas precisam resolver os problemas que todo mundo tem. Elas precisam ir pra rua! É mercado, é banco, contas que não entram em quarentena... As contas chegam, e a gente precisa pagar! É muito fácil chegar e falar: "Ah, paga pelo aplicativo! Vai no caixa eletrônico! Pede no delivery!"

Nãão... Não é bem assim. Nem todo mundo tem como pagar contas pelo celular, ligar para o mercadinho do bairro. Muitos idosos nem sabem o que é tecnologia. E eles, grupo de risco, fazem o quê? Vão pra rua! Como qualquer pessoa que resolve os problemas por lá.

Aí o que acontece? Uma fila atrás da outra. Acontece aquilo que a gente tenta evitar, mas não consegue. Aglomeração!

Ontem, no Méier, por exemplo, quem precisou ir à Caixa Econômica Federal ficou esperando uma eternidade só para entrar na agência. E quem tá ali fica como? Vulnerável ao vírus!

Nas Lojas Americanas, a situação era pior. Fila dando volta no quarteirão! Um colado no outro. Afinal, domingo é Páscoa e todo mundo quer garantir aquele chocolate. Fala sério, gente! É preciso arrumar maneiras de essas filas diminuírem... E como faz isso? Simples! As empresas têm que colocar mais funcionários organizando a bagaça. E caso tenha aglomeração cabe a quem estar na fila desistir e voltar outra hora. Não tem jeito!

Senão, daqui a pouco, vai ter é fila nos hospitais. Aí depois não vale chorar, hein?

3,2,1... É DEDO NA CARA!

 

PINGO NO I

Dona Santa comemora aniversário na janela - divulgação

"Eu sou uma ariana porreta e não vai ser um vírus que vai destruir meu aniversário!" Quem passou pela Rua Haddock Lobo, na Tijuca, viu Dona Alzira de Oliveira, conhecida no bairro como "Santa", comemorando seus 89 anos. Mesmo que seja da janela do apartamento.

Parte da família e dos vizinhos cantava o parabéns da calçada, enquanto Dona Santa agradecia da sacada, sem largar o seu copinho de cerveja, é claro! "São quase 90 anos e nesse momento tão difícil em que a gente está, é preciso celebrar a vida da minha mãe. É preciso saber viver, sem desrespeitar as regras de isolamento", conta Jane Cristina, filha de Dona Santa.

Bora colocar o Pingo no I. Que a gente saiba celebrar a vida ainda mais agora, nesse período difícil.

TÁ FEIO!

Escola invadida em Piabetá - divulgação

Achou mesmo que a bandidagem estava de quarentena? Só que não! Enquanto as escolas estão sem aulas, os vagabundos estão fazendo a festa, como fizeram em uma escola de Piabetá.

Levaram ventiladores, computadores, televisão. Até câmeras de segurança foram quebradas para dificultar que os safados fossem identificados! O boletim de ocorrência foi feito online e segurança foi reforçada.

Bando de cara de pau. Além de o povo ter que se preocupar com um vírus de verdade, ainda tem esses que estão soltos por aí há muito tempo! Por isso, se você me perguntou se tá feio ou tá bonito? Tem gente que é verme e tenho dito.

Comentários