Um nome para minha filha

O triste é saber que, em todo o Brasil, são mais de cinco milhões de crianças que só têm o nome da mãe no documento

Por O Dia

Dayana luta para Aylla Vitória ter o nome de Luciano na certidão de nascimento
Dayana luta para Aylla Vitória ter o nome de Luciano na certidão de nascimento -

Rio - 80 tiros... Quem não se lembra do que aconteceu em abril do ano passado com o músico Evaldo Braga e sua família, que teve o carro metralhado em uma ação do exército em Guadalupe?

Pois é... Na ocasião, o catador de recicláveis Luciano Macedo também foi baleado e morto ao tentar ajudar a família de Evaldo. Mais de um ano se passou e as marcas daquele dia parecem não ter fim... Pelo menos para aqueles que ficaram.

No meio da minha correria entre rádio e TV, eu vejo à minha espera Dayana Horrara Fernandes, viúva de Luciano, acompanhada de sua filha, Aylla Vitória, de dez meses. Dayana estava grávida na época que tudo aconteceu. Luciano, inclusive catava tapumes para aumentar o barraco deles, à beira da Avenida Brasil, já que o bebê ia nascer.

Ela me conta que Aylla Vitória não tem o nome de Luciano na certidão de nascimento, e que desde de novembro luta para que sua filha seja reconhecida por um exame de DNA.

"Eu preciso de ajuda. Minha filha tem o direito de saber quem foi o pai dela. Quero que isso seja na certidão, não só pelas páginas policiais", conta Dayana, que acusa a mãe de Luciano, Aparecida Macedo, de se recusar a fazer o teste.

Dayana, além de viver a dor da perda do companheiro, agora é obrigada a passar por isso. O triste é saber que, em todo o Brasil, são mais de cinco milhões de crianças que só têm o nome da mãe no documento. Que realidade...

A coluna procurou a Defensoria Pública para saber o que pode ser feito no caso, já que o pedido de reconhecimento de paternidade foi realizado. Foi informado que possui um núcleo exclusivo para esse tipo de serviço. Também informou que a análise do material genético pode ser feito tanto em familiares consanguíneos, como na ausência desses, por meio de exumação, o que já foi solicitado.

Também procuramos Aparecida Macedo, mas não conseguimos localizá-la.

 

TÁ FEIO!

Merendeiras e pessoal da limpeza sem salários - divulgação

"Isabele, ajuda a gente, tem mais de dois meses que a gente não sabe o que é receber salário e nem tíquete-alimentação!"

Essa é a situação que vem acontecendo com as merendeiras e funcionários de limpeza da empresa Soluções, contratada pela prefeitura, para trabalhar nas Escolas do Amanhã e também nas creches do município.

A empresa afirma para os funcionários que não recebe da prefeitura há quatro meses, e por isso não tem como dar uma posição de pagamento.

"Nos já esgotamos todos os recursos para que a gente tenha uma resposta. Já tentamos falar com a ex-secretária Talma Suane, com a atual, Sueli Gaspar, mas ninguém quis nos atender. Eu tenho filho pequeno, moro de aluguel e é bizarro não ter um retorno", conta Tânia Correia, moradora da Ilha do Governador.

A coluna cobrou a Secretaria Municipal de Educação, que informou já ter regularizado a situação e que o repasse para a empresa Soluções será feito hoje mesmo.

Por isso, se você me perguntou se tá feio ou tá bonito... A gente espera que tudo se acerte logo, se não vamos continuar cobrando, e tenho dito.

Comentários