"Eu estou aqui!"

"Do que eu vou ter vergonha? É melhor pedir do que roubar!"

Por O Dia

Alexandre Lopes da Silva luta para conseguir um emprego
Alexandre Lopes da Silva luta para conseguir um emprego -
Rio - O apelo chegou por uma seguidora: “Ele precisa de ajuda, Isabele!” Sentado numa calçada do Catete, com um cartaz e o currículo em mãos, Alexandre Lopes da Silva, de 43 anos, pede socorro. O motivo: emprego.

O cearense, que já tá aqui faz tempo, mora em Niterói. Era garçom em um hotel de Copacabana, mas perdeu o trabalho por causa da pandemia. Assim que a coluna ligou, ele diz que acha melhor não ter sua história contada... Mas logo muda de ideia.

“Do que eu vou ter vergonha? É melhor pedir do que roubar!”, diz ele.

A situação é tão difícil que nem dinheiro para o gás a família tem... A mulher dele também está desempregada. E ainda pior: Alexandre e o filho de 11 anos são diabéticos. Cadê o dinheiro pra insulina?

“É desesperador, eu não vi outro jeito. Me sinto mal de pedir, as pessoas me olham como se eu fosse um criminoso, mas eu preciso também levar comida pra casa”, explica.

É luta atrás de luta... A história de Alexandre reflete o caos que se instalou em todo lugar. O inimigo invisível, a covid-19, escancarou a maior das feridas do nosso país... A desigualdade.

O povo, já acostumado a levar a vida aos trancos e barrancos, implora para ser visto. “Ei, eu tô aqui... Olhem por mim!”

E é isso que Alexandre precisa... Ser visto. São vários Alexandres por aí, que precisam de oportunidade. Porque o vírus pode até ser invisível, mas o ser humano nunca!

“A fé de que as coisas vão melhorar é o que me move. Eu tenho esperança de que vou dar a volta por cima”, afirma ele.

E o caminho é esse... Não desanimar! Bora ligar pro Alexandre?

PINGO NO I

O assunto é doloroso, mas é muito importante refletir sobre ele... Nos últimos dias, foram vários os casos de abusos sexuais contra crianças.
A gente sabe que a violência pode acontecer em qualquer lugar, a qualquer momento, não importa se você é pobre ou rico... A maioria dos casos acontece dentro de casa! Por isso que é tão necessário falar de educação sexual.

Então, parem de usar a educação sexual como plataforma de polarização política! Ninguém quer incentivar coisa nenhuma. O único incentivo é para que essas crianças sejam ouvidas, orientadas e que tenham coragem de denunciar, apenas.

Bora colocar o Pingo no I...

O mais importante é não só a criança saber o que está acontecendo com ela e denunciar, é o adulto mais próximo confiar no relato da criança e não jogar pra de baixo do tapete.

TÁ BONITO!

Se você ainda não transmitiu amor hoje, essa é uma oportunidade e tanta! Nesses tempos tão difíceis, a maioria dos idosos está isolada, sem contato com as suas famílias.
Por isso, na tentativa de amenizar um pouco a solidão e a saudade, o Abrigo Presbiteriano, no Lins, disponibilizou um número de WhatsApp para que sejam enviadas mensagens carinhosas, vídeos e ligações para as vovós que moram por lá, já que elas não podem receber visitas.

Afinal, elas estão isoladas, não incomunicáveis, né? O negócio é fazer o bem, mesmo que esse alguém não seja um conhecido seu!

Se você me perguntou se tá feio ou tá bonito... O telefone é (21) 97141-0440, e tenho dito!

Comentários