Movimento nos centros comerciais da Baixada

Lojistas de rua já sentem a queda no faturamento. Segundo a CDL de Nova Iguaçu, movimento caiu 50% na primeira semana

Por O Dia

Lojas dos centros comerciais da região reduziram horários de funcionamento e quantidade de funcionários
Lojas dos centros comerciais da região reduziram horários de funcionamento e quantidade de funcionários -

Apesar de não ter fechado as portas e ainda ter pessoas circulando pelas ruas nos calçadões comerciais da Baixada Fluminense,  a recomendação de quarentena, por conta do coronavírus, já fazem lojistas sentirem a diferença. Com a movimentação reduzida, empresários temem prejuízo no faturamento. Algumas mudanças foram adotadas para minimizar a situação.

Em Belford Roxo, as lojas continuam abertas, porém algumas tiveram horário de funcionamento reduzido.

Segundo a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de Duque de Caxias, as lojas estão funcionando com o número de funcionários reduzido.

"Ainda temos movimentação no calçadão, apesar de ter diminuído bastante. Vamos avaliar as coisas e ver como vai ficar nos próximos dias e o que faremos daqui para frente", afirma o gerente geral da CDL, Jones Ramalho.

Em Nilópolis, a CDL informou que mesmo com as ruas e lojas vazias o funcionamento seguia normalmente.

No município de Nova Iguaçu, que tem um dos maiores centros comerciais da região, o fluxo de pessoas do calçadão, que é de 220 mil por dia, caiu 50%. As lojas continuam funcionando, mas cerca de 5% dos empreendimentos alteraram o horário de atendimento aos clientes.

"Os lojistas já estão sentindo o impacto porque os anos anteriores foram de crise e a fase de recuperação estava começando. E justo quando os empresários começavam a sentir uma melhora veio esta situação. Alguns lojistas já demitiram funcionários e cancelaram compras com os fornecedores. Outros, reduziram o horário de funcionamento em uma tentativa de diminuir os custos de despesas e não ir à falência. A certeza que temos é que será um grande impacto e não há como sair disso ileso. Estamos desnorteados e para minimizar a situação teremos que chegar a um entendimento. Será preciso uma compreensão mútua entre governo, locadores, locatários, empresários e funcionários para amenizar os problemas que ficarão", afirma Cláudio Rosemberg, presidente da CDL de Nova Iguaçu.

 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O DiaFaça uma contribuição

Galeria de Fotos

Lojas dos centros comerciais da região reduziram horários de funcionamento e quantidade de funcionários FOTOS Ricardo Cassiano
Movimentação no calçadão de Nova Iguaçu diminuiu logo na primeira semana de quarentena Ricardo Cassiano/Agencia O Dia

Comentários