Corrida pelo autismo não pode parar

Projeto de ultramaratonista de Mesquita supera restrições da covid-19 com ações pela internet

Por André Arraes

Narbal Fernandes e sua filha Alícia Fernandes. Correndo pelo Autismo
Narbal Fernandes e sua filha Alícia Fernandes. Correndo pelo Autismo -

A pandemia do coronavírus e o isolamento social, adotado para conter o avanço da doença, não pararam o trabalho de ativismo de Narbal Fernandes, 38, ultramaratonista que, literalmente, corre atrás de mais consciência e respeito pela causa autista. Ele é pai da pequena Alícia, de 6 anos, que com 2 anos de idade foi diagnosticada com autismo. Desde 2016, o vendedor autônomo e morador de Mesquita uniu a paixão pela corrida com a luta contra o preconceito, e assim nasceu o 'Correndo pelo Autismo'.

Desde o início de seu projeto, Fernandes já fez 10 maratonas, todas elas carregando consigo a bandeira do autismo e também sempre acompanhado de Alícia na linha de chegada, que para o pai é melhor que qualquer pódio. Com as provas e eventos cancelados, por conta da pandemia, Narbal fez adaptações na rotina e faz da rede social uma grande aliada neste momento.

"Eu acordava antes das 5 da manhã para treinar, mas agora improviso como dá dentro de casa. Em abril, eu tinha palestras em escolas, nas praças de Mesquita, corridas, mas foi tudo cancelado. Acredito que a conscientização não pode parar, por isso utilizo muito o Instagram, acho uma ótima ferramenta para informar e proporcionar a inclusão. Toda postagem que faço é sempre pensando na causa, é ela que me move".

A rede social virou ferramenta de troca de experiências. "Eu recebo muitas mensagens de pais e mães. Eu procuro conversar, tirar dúvidas, pergunto como estão as coisas e tento ajudar".

Narbal ressalta também sobre a importância da informação para a diminuição do preconceito.

"A partir do momento que o pai e a mamãe têm o diagnóstico da criança eles precisam correr atrás das terapias, de direitos, benefícios, e também lutar contra o preconceito. Conscientizar é uma tarefa muito difícil e desgastante, mas está melhorando com o tempo. Há uns dez anos a situação era muito pior. A inclusão deve se tornar parte do cotidiano de todos. Eu não corro e luto só pela minha filha, faço por todos os autistas, pela causa".

Lutar e divulgar o projeto, virou um estilo de vida e uma ideologia para os pais da Alícia. "Eu vivo o autismo diariamente. A minha vida e da minha esposa, Aletha, é dedicada 100% a Alícia. Sempre busco ler, estudar e aplicar com minha filha os materiais das terapias. Os autistas e as pessoas com deficiência são cidadãos e merecem respeito", afirma Fernandes.

Para acompanhar as ações do projeto basta ficar de olho no perfil @correndopeloautismo, no Instagram.

Galeria de Fotos

Narbal Fernandes e sua filha Alícia Fernandes. Correndo pelo Autismo Arquivo Pessoal
Narbal Fernandes. Correndo pelo Autismo Arquivo Pessoal
Narbal Fernandes. Correndo pelo Autismo Arquivo Pessoal
Narbal Fernandes. Correndo pelo Autismo Arquivo Pessoal
Narbal Fernandes e sua filha Alícia Fernandes. Correndo pelo Autismo Arquivo Pessoal
Narbal Fernandes sempre participa das corridas ao lado de sua filha, Alícia Fernandes Arquivo Pessoal
Ultramaratonista compete pela causa do autismo Divulgação

Comentários