Grupo Código - Divulgação
Grupo CódigoDivulgação
Por Aline Cavalcante

Em tempos de pandemia as redes sociais e a internet se fortaleceram. As transmissões online e lives mostraram que vieram para ficar e têm sido um alívio para muitas pessoas que ainda seguem com o isolamento social. A Rede Baixada em Cena não ficou de fora e inaugurou seu novo projeto: o Rede Baixada em Live. A iniciativa traz toda segunda e quinta-feira, às 18h, pelo Instagram (@redebaixadaemcena), uma entrevista com os coletivos que compõem o movimento.

As transmissões começaram em junho e já participaram do projeto a companhia teatral Cia. Cerne, Uz Outrus, CETA, Grupo Artesão e Cia Sol Sem Dó.  Nas lives, além de contar sua trajetória, as ações durante a pandemia e os projetos futuros, a cada episódio o grupo entrevistado propõe um tema de interesse geral a ser debatido.

"Esse projeto tem como finalidade principal dar visibilidade a estes artistas e ao trabalho deles. É uma maneira que a gente encontrou de continuar a produzir. Isso tem atraído alguns editais virtuais e tem sido uma saída", afirma Leandro Fazolla, ator, produtor e um dos fundadores do coletivo.

Nas próximas entrevistas, que são conduzidas por um grupo de também integrantes de companhias da rede, serão discutidos assuntos como gestão de grupos culturais, teatro negro, cultura popular, autoficção e ancestralidade, entre outros.

"A gente vai falar do nosso trabalho, contar a história do grupo e compartilhar nossas criações. Vamos abordar temas que envolvem questões que já trabalhamos em cena. Esta pandemia mostrou a força e a importância da cultura", diz Liv Stefani, do Uivo Coletivo, grupo entrevistado de amanhã.

Rede de apoio

As lives também visam alavancar um projeto paralelo, o "Solidariedade Entra em Cena". O objetivo é arrecadar fundos para ajudar os artistas da rede que estão em situação de vulnerabilidade em momento de pandemia, já que todos os eventos estão suspensos por tempo indeterminado. O valor arrecadado será revertido para a compra de cestas básicas e itens de higiene pessoal.

"A classe artística foi muito prejudicada com esta pandemia. Os espetáculos e shows foram os serviços que tiveram que ser cancelados antes de todos e vai ser um dos últimos a voltar. Então o artista teve que se reinventar. Nas lives a gente pede para que as pessoas doem qualquer quantia para ajudar. É como se o artista passasse o chapéu", afirma Leandro Fazolla. 

Para ajudar com doações, basta entrar em contato no email [email protected]

 

Papo semanal sobre cultura
Ana Botafogo
Ana BotafogoDivulgação
Publicidade
Na mesma onda das lives, a famosa bailarina e professora de dança de Nova Iguaçu, Tereza Petsold, está investindo no projeto Papos com Arte, no qual ela conversa com personalidades da dança ou do mundo artístico em geral. Hoje será a vez da premiadíssima bailarina Ana Botafogo. A transmissão começa às 15h, no Instagram (@academiaterezapetsold). 
A programação de julho está fechada e recheada de estrelas. Na próxima semana o papo vai ser com o dançarino e coreógrafo Carlinhos de Jesus. Dia 22, Caio Nunes, diretor, coreógrafo e bailarino carioca vai compartilhar um pouco de sua arte. Já dia 29, está confirmada a presença do secretário de Cultura de Nova Iguaçu, Marcus Antonio Monteiro.
Publicidade
Você pode gostar
Comentários