Final feliz para mandar a saudade embora

Depois de quatro meses em isolamento social, por conta da pandemia, advogada de Nilópolis revê a família e vê o neto, que nasceu durante esse período, pela primeira vez

Por O Dia

Edna Laranjeiras com os netos Otto, de apenas 3 meses e que nasceu durante o período da quarentena, e Bento de 4 anos
Edna Laranjeiras com os netos Otto, de apenas 3 meses e que nasceu durante o período da quarentena, e Bento de 4 anos -

Foi à distância que Edna Laranjeiras acompanhou os três primeiros meses de vida do neto, Otto. Vídeos e fotos amenizavam a saudade da família, que inclui a nora, o filho e outros três netos. Foram quatro meses nessa rotina para cumprir o isolamento social. E depois de tanto tempo longe, com a diminuição da curva de contágio e alguns resultados negativos para a covid-19 era hora de diminuir a distância e promover reencontro. E foi na semana em que se comemora o Dia dos Avós (26 de julho) que a advogada de Nilópolis finalmente pôde conhecer o mais novo membro da família Laranjeiras.

"Foi uma explosão de sentimentos e de emoções que poucas vezes vivi na vida. Sempre fomos muito unidos, porém muito conscientes, sabíamos que aquele período distante era o mais seguro. Como um abraço de quem amamos nos faz tanta falta. Poder conhecer, cheirar, dar colo ao meu novo neto foi uma turbulência de emoções, meu coração parecia q ia explodir no peito. Na hora que ele me viu ele sorriu e finalmente pode sentir todo meu amor", relata Edna sobre o primeiro encontro com Otto.

Para aguentar um dos sintomas mais comuns da pandemia, a saudade da família, a avó conta que usou o tempo para ler e trabalhar e que o momento mais esperado do dia eram as chamadas de vídeo. "Aproveitei para colocar em dia a leitura. Tentei fazer home office, mas me vi muito desconcentrada. Uma das melhores opções era contar com a ajuda da tecnologia para me aproximar um pouco mais dos meus netos. Foi assim que assisti o primeiro banho, os primeiros sorrisos do Otto e tentava estabelecer um vínculo afetivo com ele".

Sempre cuidadosos, a família só promoveu a volta ao convívio quando as confirmações de casos começaram a cair no Rio de Janeiro. "Conversarmos com médicos que nos orientaram a maneira mais segura de fazer essa transição. Pedimos a ela que se isolasse totalmente sem sequer receber nenhum delivery. Chamamos um laboratório para ir até a casa dela e fazer o exame para a covid. Quando recebeu o resultado negativo ela arrumou as malas e veio ficar conosco", conta a nora, a influenciadora digital Marcela Laranjeiras.

Passado a fase do isolamento solitário, Edna conta que ter que ficar longe da família foi a maior dificuldade. "Foi a pior parte do isolamento para mim. Não só pela privação da convivência com meus netos, que moram ao lado da minha casa e por isso também sempre fizeram parte do meu dia a dia, mas principalmente por perder a oportunidade de ver o nascimento do meu quarto neto, que foi um parto em casa, e perder todos os primeiros meses de vida dele. 

Galeria de Fotos

Edna Laranjeiras com os netos Malu (frente), Nina, Otto (no colo) e Bento. A advogada vai passar o restante do isolamento com a família Arquivo pessoal
Reencontro de Edna Laranjeiras com os netos Arquivo pessoal
Reencontro de Edna Laranjeiras com os netos Arquivo pessoal
Otto, de 3 meses, foi todo sorrisos para avó que conhecia apenas por vídeo. Ele nasceu em abril, no domingo de Páscoa Arquivo pessoal
Reencontro de Edna Laranjeiras com os netos Arquivo pessoal
Reencontro de Edna Laranjeiras com os netos Arquivo pessoal
Edna Laranjeiras com os netos Otto, de apenas 3 meses e que nasceu durante o período da quarentena, e Bento de 4 anos Arquivo pessoal
Reencontro de Edna Laranjeiras com os netos Arquivo pessoal

Comentários