Ficamos combinados? Canela de velho faz parte do kit de 'sobrevivência' do suburbano

Bom... se é de procedência duvidosa, confesso que não sei. Mas o fato é que muitos mundos caíram ao descobrir a possibilidade de esse artefato ser uma exclusividade para pernas de pessoas de mais idade

Por O Dia

Pomada Canela de Velho virou sensação nos trens
Pomada Canela de Velho virou sensação nos trens -

Dia desses recebi de um seguidor algo que muito me intrigou e que logo joguei para o público: uma imagem que mostrava um tubo da famosa pomada massageadora, sensação dos ramais de trem, que estava escrito "pomada massageadora PARA canela de velho".

Bom... se é de procedência duvidosa, confesso que não sei. Mas o fato é que muitos mundos caíram ao descobrir a possibilidade de esse artefato ser uma exclusividade para pernas de pessoas de mais idade.

E aí isso levanta uma nova observação: o quanto todos nós estamos sobrecarregados com as tarefas diárias a ponto de precisar de algo que alivie nossas dores musculares. Seria uma exclusividade dos "velhos"?

Debates à parte, tudo o que sabemos é que essa é a nova sensação dos cara-de-lata e dos calçadões de bairro; trabalhadores e trabalhadoras compram, e compram bem. Certa vez recebi um relato que descrevia o diálogo de umas senhoras - ou senhoritas - no trem: as duas cidadãs conversavam a respeito de usos extras do artefato, que envolvia fazer amor com cheiro de cânfora... Muito bem!

Mas é isso aí. Em 2019, com todos os avanços da medicina, diagnósticos digitais, cirurgias robóticas e tal, ficamos entendidos que jamais abandonaremos os saberes e macetes de vovó; já ficamos combinados que canela de velho faz parte do kit de primeiros socorros do suburbano, junto com o chá de boldo, saião e chá de rosa branca.

 

E a arnica?

Arnica é "remedinho" obrigatório na família - Reprodução

Por falar nisso, seria deserdado pelos meus parentes, encarnados e desencarnados, se esquecesse de citar a arnica, plantinha que vovó Marlene tinha em um vasinho, e vovó Iracema tinha no quintal.

Criança meteu a testa na quina da mesa e criou um galo? Arnica (e a faca riscada em forma de cruz, claro). Inchou o joelho? Arnica. Torceu o pé carregando as compras do mês? Arnica! Acho que a única coisa que a arnica não poderia dar jeito era a morte.

Peixe elétrico e pau-rosa

Como cidadão preocupado com o bem-estar de meus conterrâneos, gostaria de indicar dois outros artefatos massagísticos aos ambulantes e para quem não conhece: os óleos de peixe elétrico e do pau-rosa. Ambos conheci em Manaus, terra de minha amada esposa.

O óleo de peixe elétrico foi uma indicação da moça de uma barraca do mercado municipal de lá, e fez sucesso; esquenta e dá umas vibrações no músculo. Já o óleo do pau-rosa... bom, ouvi dizer de uma amiga (abraço, professora Fátima) que o óleo é a salvação para dores de junta. É retirado de uma planta, tá, gente? Mas imagino isso sendo vendido aqui, nos trens do Rio...

Comentários