'Vamos construir um governo apoiado nos conselhos populares para colocar o aparato da Prefeitura a serviço das lutas dos trabalhadores', diz a dupla candidata à Prefeitura - Reprodução
'Vamos construir um governo apoiado nos conselhos populares para colocar o aparato da Prefeitura a serviço das lutas dos trabalhadores', diz a dupla candidata à PrefeituraReprodução
Por Irma Lasmar
SÃO GONÇALO - A candidata a prefeita de São Gonçalo pelo PSTU, Dayse Oliveira, está focada desde o início da campanha eleitoral no poder disseminante das redes sociais, onde interage com os cidadãos gonçalenses, ouvindo sugestões de projetos e expondo seu plano de gestão municipal apoiado em Conselhos Populares aos eleitores por meio das redes sociais. No fim da tarde desta quarta-feira (11) fez uma transmissão de vídeo ao vivo pelo Facebook com o ator Pedro Cardoso, que deu vida ao taxista Agostinho Carrara em A Grande Família, personagem oriundo do Alcântara. Na live, intitulada A Importância de uma Alternativa Socialista para São Gonçalo, ela e o vice-prefeitável da chapa, Roberto Baeta, apresentaram suas propostas para a cidade.
"Nós, do PSTU, vamos construir um governo apoiado nos conselhos populares para colocar o aparato da Prefeitura a serviço das lutas dos trabalhadores. E uma das primeiras batalhas, para garantir dinheiro para as necessidades dos trabalhadores e do povo pobre de São Gonçalo, é a suspensão do pagamento da dívida pública com os banqueiros e o fim da lei de responsabilidade fiscal. Todo mundo diz que não precisa de muito dinheiro para fazer mudanças, que é um problema de administração. Não! É o famoso estado de financiamento máximo para os patrões e financiamento mínimo para os trabalhadores", afirmou Dayse.
Publicidade
Na véspera (10), a dupla da chapa majoritária participou do debate entre candidatos a prefeito organizado pelo Sindicato Estadual de Profissionais de Educação (Sepe) de São Gonçalo e também se reuniu com a Associação LGBT da cidade, com a qual assumiu compromisso com a luta contra o preconceito ao segmento. “Para nós, é central o combate a toda forma de opressão, como a LGBTfobia, machismo e racismo. Essas ideologias dividem a classe trabalhadora e favorecem a manutenção desse sistema de exploração”, afirmou.