Artista classifica a canção como "terapêutica" para aqueles que estão, como ele, insatisfeitos com o momento atual do paísDivulgação

SÃO GONÇALO - Uma mistura de catarse e protesto contra o governo é o que o cantor, compositor, produtor e ativista LGBTQIA+ gonçalense Seu Pachequinho destaca ao relembrar o 'boom' da música Sai Fora!, de sua autoria, às vésperas das comemorações do dia da Independência. O clipe já soma mais de 80 mil visualizações no TikTok e Instagram nos perfis da cantora Teresa Cristina e da influenciadora Cláudia Santiago. Inspirada em artigos e notícias dos últimos acontecimentos, o artista classifica a canção como “terapêutica” para aqueles que estão, como ele, insatisfeitos com o momento atual do país. 
''A canção chama pelos nomes o mau-caratismo exibicionista que ganhou, nos últimos tempos, prestígio e poder neste país”, disse o artista que, na sequência, contou como tudo aconteceu. ''A ideia surgiu depois de um tempo zapeando nas linhas do tempo das redes sociais e vendo muitos textos com esse mesmo formato, como uma espécie de espasmo de ira entre os internautas. De artigos de jornalistas a insultos de toda a parte. Minha musa foi a democracia!”, dispara Seu Pachequinho.
O artista de São Gonçalo, desde criança, já flertava com a música. No fim da adolescência, passou a cantar em corais viajando pelo país e pela Europa, representando o Brasil em festivais. Nascido Robson Coccaro, o cantor atende pelo pseudônimo como homenagem a um bisavô que não conheceu, mas sobre o qual ouviu muitas histórias: viveu como curandeiro, conhecedor de ervas medicinais e homeopata autodidata no bairro Pacheco.
Ex-aluno de Canto da UFRJ, Seu Pachequinho voltou a cantar e compor durante a pandemia, inspirado pelo sucesso Vela no Breu (de Paulinho da Viola e Sérgio Natureza) que fala de uma personagem com o poder de cura herdado de uma avó. A canção conectou o artista às histórias de sua própria família, de sua origem humilde e o levou a refletir sobre a importância da música como parte desse processo de cura. A produção contou com a participação luxuosa do maestro cubano e vencedor do Grammy Latino Joaquín Betancourt. Mais recentemente, o artista gonçalense esteve em Portugal fazendo um intercâmbio musical com artistas locais e outros cantores brasileiros, estreitando ainda mais esses laços e divulgando sua homenagem ao bamba Paulinho da Viola com o single que o fez retornar à produção musical.