Policlínica da Mulher em Volta Redonda reorganiza atendimento devido ao coronavírus

Gestantes poderão fazer exames na Policlínica

Por O Dia

Secretaria Municipal de Saúde de Volta Redonda reorganizou o atendimento disponibilizado na Policlínica da Mulher
Secretaria Municipal de Saúde de Volta Redonda reorganizou o atendimento disponibilizado na Policlínica da Mulher -
Volta Redonda - A Secretaria Municipal de Saúde de Volta Redonda, reorganizou o atendimento disponibilizado na Policlínica da Mulher, no bairro Aterrado, para preservar a saúde das gestantes durante a pandemia do coronavírus. A partir dessa quarta-feira, dia 06, a policlínica passou a contar com um projeto de acolhimento para as cerca de 400 pacientes que são atendidas mensalmente.

O serviço vai funcionar de segunda a sexta-feira, das 8h às 17 horas, na sede da Policlínica da Mulher, para todas as pacientes que já tem consulta agendada no local, segundo informou a secretaria de saúde. Além disso, os exames de ultrassonografia e de sangue para essas gestantes também serão realizados no local.

A coordenação da Média Complexidade, Flávia Lipke, explica que durante toda semana a Policlínica da Mulher vai disponibilizar psicólogos e enfermeiros para atendimento presencial das pacientes.

“Esse trabalho será realizado pela equipe do Espaço do Cuidado, que fará uma intervenção breve com essas pacientes visando a redução de stress e ansiedade”, esclareceu à coordenadora.

Grávida de 36 semanas, Gleidiane Maria da Silva Ferreira, 28 anos, moradora do bairro Belo Horizonte, elogia o tratamento que vem recebendo.

“Antes a gente tinha que sair daqui e fazer exame em outro local. Agora está tudo concentrado na policlínica. Isso deixa a gente bem mais tranqüila. E estou sabendo que a partir de hoje vamos ganhar esse outro cuidado. É importante que a gente fique calma para que tudo ocorra bem”, disse a paciente.

O secretário municipal de Saúde, Alfredo Peixoto, destaca que este apoio emocional e psicológico é muito importante para a população.

“Ele fortalece o atendimento domiciliar das gestantes de alto risco e puerpério, prestando uma assistência integral, com escuta qualificada”, disse o secretário,

Quem também comentou as mudanças realizadas foi o prefeito Samuca Silva que ressaltou que a administração municipal não está preocupada apenas com as condições clínicas dessas pacientes, mas também com as dificuldades emocionais e psicológicas que surgem nesse momento crítico.

“As gestantes ficam mais sensíveis e particularmente nesse período em que estamos vivendo, por conta do medo da doença e desconhecimento de sua cura, precisamos tratá-las integralmente. Queremos que elas tenham acompanhamento médico durante o pré-natal e que também tenham a tranquilidade de que tudo ocorrerá bem”, disse o prefeito.

Comentários