"Reabertura de igrejas, escolas e academias não depende do prefeito" afirmou Samuca

Prefeito esclareceu dúvidas sobre a flexibilização das atividades já que o MPRJ recorreu da decisão que mantém o comércio aberto na cidade

Por Denise Azevedo

"Há uma interpretação indevida que esta decisão de abrir escola, academia, igreja está na mão do prefeito" -
Volta Redonda - O prefeito de Volta Redonda, Samuca Silva, divulgou na tarde desta segunda-feira, dia 18, que o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) entrou com recurso no Tribunal de Justiça da decisão que mantém a flexibilização do comércio de Volta Redonda.

Samuca Silva aproveitou esta informação para esclarecer as dúvidas de muitas pessoas que querem a reabertura dos templos, academias e instituições de ensino.

“Quero fazer um link desse agravo do Ministério Publico e falar com os representantes das escolas, igrejas e academias, as quais nós estamos conversando. Não é momento de dialogar propostas para agora, em cima da hora, em relação a essas instituições. Vou sim apresentar com base técnica um cronograma ao Ministério Público, mas lembrando que hoje a decisão judicial impede que esses locais possam abrir”, disse o prefeito.

Samuca ainda ressaltou que não depende dele o retorno das atividades dessas instituições.

“Não está na minha mão. Há uma interpretação indevida que esta decisão de abrir escola, academia, igreja está na mão do prefeito. Há uma decisão judicial que impede abertura desses estabelecimentos”, enfatizou Samuca Silva.

De acordo com o prefeito é necessário neste momento, acompanhar os casos de covid-19 na cidade, provar ao MP que há capacidade de atendimento dos leitos e implementar uma cultura da flexibilização com responsabilidade, ou seja, monitorar a capacidade de atendimento no município.

Na última sexta-feira, dia 15, o juiz da 6ª Vara Cível de Volta Redonda, André Aiex, recusou o pedido do Ministério Público para acabar com o acordo que o órgão tinha feito com o governo municipal para realizar a flexibilização.

“Se eles estão entrando com recurso contra a decisão do juiz, eles não vão concordar com qualquer proposta de abertura das igrejas. Apresentar uma proposta agora é perder uma estratégia, é chover no molhado, como diz no linguajar popular”, declarou o prefeito Samuca Silva.
O prefeito ainda concluiu destacando que é necessário discutir a capacidade que a rede pública tem de acolher, e isso sim vai fazer com que a abertura de outros setores aconteça.

Comentários