Dados do Caged apontam que Volta Redonda registrou cerca de 2 mil demissões em abril

Os números são com base na quantidade de requerimentos solicitando o seguro-desemprego

Por O Dia

Volta Redonda registra 2.008 demissões em abril, segundo dados do Caged
Volta Redonda registra 2.008 demissões em abril, segundo dados do Caged -
Volta Redonda - Os dados do Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged) mostram que no município de Volta Redonda foram registradas 2.008 demissões, em abril. Período crítico para a economia por conta da pandemia do novo coronavírus, quando o comércio ficou fechado. Os números são com base na quantidade de requerimentos solicitando o seguro-desemprego.
No relatório, não entram, por exemplo, os contratos suspensos e nem quem foi dispensado com menos de um ano de carteira assinada ou estava cumprindo aviso prévio. Para a Câmara de Dirigentes Lojistas de Volta Redonda (CDL-VR), esses números podem ser ainda maiores se levar em conta que houve demissões em março, que não foram divulgadas pelo Governo Federal, além das que foram feitas no início de maio.
“Infelizmente, grande parte das empresas, que é formada por pelo menos 80%, não conseguiu reter os trabalhadores por estar sem faturamento. Muitas famílias perderam suas rendas e só vamos sentir o impacto dessa quarentena a médio prazo, porque nem todas as empresas vão conseguir reabsorver funcionários que estavam com contratos suspensos ou de férias”, explicou o presidente da CDL-VR, Gilson de Castro.
Já o presidente do Sicomércio-VR, Jerônimo dos Santos, diz que a situação ainda é muito complicada. As lojas abriram depois de 50 dias sem vender, fecharam de novo por mais uma semana, e agora, voltaram a abrir. Essa instabilidade, além desse horário que é muito ruim, de 14h às 22h, causa muita incerteza. Muitas empresas não têm fôlego para se manterem sem garantia de que vão poder continuar funcionando até para pensar em voltar a investir”, falou.
O presidente da Aciap-VR, Luís Fernando Soares, também comentou a questão e lembrou que a estimativa é de que pelo menos 30% das empresas não consigam se manter abertas.

“Não se recupera quase dois meses fechados em uma semana. Isso traz impacto negativo em todos os setores. Sem vender, cai a arrecadação de impostos e, com isso, a cidade fica com menos dinheiro para investir em todas as áreas, entre elas, a saúde, por exemplo, tão fundamental neste momento em que precisamos cuidar de quem adoece”, comentou.
Volta Redonda registra cerca de 2 mil demissões em abril, segundo dados do seguro-desemprego - Divulgação
Em Volta Redonda, as entidades empresariais reforçaram que continuam contrárias ao horário de 14h às 22h, de segunda a sábado, levando em conta a deficiência no transporte público e desse período noturno ser mais visado por criminosos. A sugestão é que o horário de funcionamento seja de 10 às 18h, de segunda à sexta-feira, e aos sábados, de 9h às 13h.

“Sábado, por exemplo, não tem nem justificativa, porque boa parte de outros setores não funciona, como bancos, escritórios, entre outros. O comércio está fazendo de tudo para seguir as regras, com medidas preventivas, pedindo para que evitem aglomerações. Precisamos de mais apoio do Poder Público para que se salvem vidas e empregos”, acrescentou Jerônimo.

O prefeito Samuca Silva explicou que uma nova proposta de flexibilização, ampliando as atividades econômicas e sociais da cidade, já foi entregue na semana passada ao Ministério Público e a resposta deve ser divulgada na segunda-feira, dia 1º.

Galeria de Fotos

Volta Redonda registra 2.008 demissões em abril, segundo dados do Caged Divulgação
Volta Redonda registra cerca de 2 mil demissões em abril, segundo dados do seguro-desemprego Divulgação

Comentários