'Corujão' na Pedreira do bairro Voldac - Fernando Pinto
'Corujão' na Pedreira do bairro VoldacFernando Pinto
Por O Dia
Volta Redonda - Cientistas e cidadãos ligados à equipe ambiental do Movimento Ética na Política de Volta Redonda (MEP-VR) na semana passada receberam e discutiram um fato que envolve o município no ‘mapa de aves raras do Estado do Rio de Janeiro’. Um estudo recém publicado em uma revista científica especializada informou sobre a distribuição geográfica de uma espécie de coruja, o corujão ou jacurutu (Bubo virginianus), no Estado do Rio de Janeiro.
Os autores reuniram registros documentados da espécie em artigos sobre aves da Mata Atlântica disponíveis na literatura científica, além de dados encontrados em plataformas digitais de ‘ciência cidadã’.
Publicidade
“O estudo aponta vinte localidades com registros do corujão nos últimos 200 anos no Estado do Rio de Janeiro, com 40% dos registros obtidos em Unidades de Conservação”, informou Dr. Fernando Pinto, biólogo e pesquisador responsável pelo registro do jacurutu em outubro 2019 e julho de 2020 na Pedreira da Voldac, em Volta Redonda.
O estudo recém publicado por Fabio Mello Patiu, cientista da área biológica, além do registro da raríssima ave provocou nos membros da equipe ambiental do MEP reafirmar o contato com o Poder Público, no sentido de avançar na proposta de tornar a Pedreira da Voldac em Monumento Natural.
Publicidade
“Já enviamos no dia 27 um pedido de audiência com o secretário interino do Meio Ambiente de VR, Marcus Vinicius Convençal. Ainda estamos aguardando contato”, disse Silvia Real, geóloga e coordenadora do coletivo ambiental.
'Corujão' na Pedreira do bairro Voldac - Fernando Pinto
Publicidade
A equipe anunciou também a realização de uma “roda de conversa” sobre aves com participação dos especialistas Fernando Pinto, Fabio Patiu e Amanda Mattos no dia 19 de setembro, ás 16h, via plataforma Google Meet.
“A proposta é falar sobre ciência de forma descomplicada e empoderar a sociedade para que estenda seus olhares e práticas para os emergentes temas ambientais”, falou Sílvia Real.