Gatito falha, Fogão perde e G-4 fica longe

Em casa, time tem uma das piores atuações na temporada diante do Atlético-PR e deixa o campo vaiado pela torcida

Por MARCELO BERTOLDO

 Após falhar, Gatito tentou puxar a bola, mas a arbitragem validou o gol do Furacão
Após falhar, Gatito tentou puxar a bola, mas a arbitragem validou o gol do Furacão -

A chance de o Botafogo selar a paz com o seu torcedor foi, momentaneamente, por água abaixo com a derrota de 1 a 0 para o Atlético-PR, no Nilton Santos. A gritante falha de Gatito Fernández no gol de Guilherme não foi o único motivo que esgotou a paciência dos alvinegros. Em jogo fraco tecnicamente e sob chuva, o time amargou a segunda derrota seguida em casa no Brasileiro e corre o risco de perder hoje o sexto lugar para o arquirrival Flamengo.

Como não pode ser ultrapassado pelo Vasco nesta rodada, a permanência no G-7 é um alento, mas está longe de confortar jogadores e torcedores. A má atuação no Nilton Santos mantém o sinal de alerta ligado na reta final do Brasileiro. Previsível, o Botafogo não conseguiu impor o domínio esperado de um mandante que cobiça uma vaga na Libertadores.

Sem vencer há três rodadas, o Atlético-PR, mais organizado, teve maior posse de bola e chegou com um pouco mais de qualidade ao ataque. Em uma dessas jogadas, Pablo tabelou com Guilherme. O fraco chute de primeira parecia defensável, mas Gatito aceitou. O pulo para tentar salvar a bola dentro do gol após a defesa parcial foi em vão: Furacão 1 a 0, aos 30 minutos do primeiro tempo.

TORCIDA NÃO PERDOA

Distantes um do outro, João Paulo e Marcos Vinícius não conseguiram levar a equipe à frente. No auge de seu inferno astral, Pimpão foi mal outra vez. Antes de ser sacado para a entrada de Guilherme no intervalo, voltou a ser vaiado pelo impaciente torcedor. Porém, foi do atacante a melhor chance da equipe ao emendar de primeira o bom cruzamento de Bruno Silva.

Com Guilherme e Leo Valencia em campo no segundo tempo, o Botafogo pouco melhorou. Fechado, o Atlético suportou bem o chuveirinho, a única tentativa de jogada do Alvinegro. Parte da torcida protestou e gritou ao apito final: "Time sem vergonha".

Ciente da pressão, o técnico Jair Ventura surpreendeu ao revelar que não há pacto pela vaga na Libertadores, mas que trabalha para levar o Botafogo ao lugar mais alto possível na tabela.

"Quando trabalhamos num gigante como o Botafogo, estamos sempre sob pressão. Prefiro ser cobrado pela vaga na Libertadores do que para sair do rebaixamento", disse.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários