Conheça a beldade brasileira que irá estrear neste sábado no UFC. Confira fotos!

Depois de decepção no handebol, Poliana Botelho brilha no octógono e estreia na edição 126 do Ultimate, em Las Vegas, contra Pearl González

Por O Dia

Las Vegas - A ascensão meteórica no universo das artes marciais abriu um novo horizonte na carreira de Poliana Botelho após a decepção com o handebol. Há quatro anos, ela trocou a pequena Muriaé, em Minas Gerais, pela metrópole carioca em busca de uma nova chance no esporte. Na noite deste sábado, no UFC 216, em Las Vegas, nos Estados Unidos, a lutadora terá a americana Pearl González como adversária em sua estreia.

GALERIA DE FOTOS: Poliana Botelho trocou o handebol pelas artes marciais

Poliana Botelho trocou o handebol pelas artes marciaisDivulgação

"Tive a chance de jogar handebol profissionalmente em Minas, mas não consegui me manter (financeiramente). Faço na luta tudo o que não consegui lá. Então me dedico dobrado. Sempre tive aptidão. Pratiquei vôlei, natação, handebol... Já fiz um pouco de tudo. Há quatro anos comecei a treinar Muay Thai, disputei lutas de MMA e recebi convite para fazer um teste no Rio. Foi o início do meu sonho", contou Poliana.

Indicada pelo também lutador e conterrâneo Yan Cabral, a promissora atleta foi acolhida pela Nova União, equipe que conta com José Aldo, Renan Barão e outros astros do MMA. Campeã peso-mosca (até 57kg) do XFC em setembro de 2015, a mineira chamou a atenção da organização do UFC e foi contratada no ano seguinte. A estreia, então prevista para dezembro, foi adiada por conta de duas lesões na mão direita.

Recuperada, Poliana enfrentou uma dura rotina de treinos e de dieta restrita para se enquadrar nas exigências da categoria peso-palha (até 52kg). Na pesagem oficial em Las Vegas, ela passou no teste da balança após perder 14kg, em apenas três meses.

A 'abstinência' de chocolate só aumentou o apetite e a ambição de Poliana. Pelas beiradas, ela sonhar iniciar com vitória a sua escalada rumo ao topo do UFC. O cinturão de melhor da categoria é a motivação da lutadora. A americana Pearl González que se cuide.

"Há quatro anos, a minha vida virou do avesso, mas valeu a pena. É o meu primeiro passo no UFC porque meu sonho é ser a melhor. Estar no UFC é o sonho de todo lutador, mas ainda falta muito para alcançar o meu objetivo. Eu sei o que quero", afirmou a mineira.

Outros brasileiros estarão em ação no UFC 216. Na categoria pesado, Fabrício Werdum enfrenta Derrick Lewis no card principal. Thales Leites (médio) e Kalindra Faria (mosca) completam o card preliminar. As lutas começam às 19h.

Últimas de Esporte