Mais Lidas

Teste em trajeto de 180 km com o confortável Jeep Compass

Usamos o SUV de R$ 100 mil em vias urbanas, rodovias e estradas de terra. Do Rio ao interior de Minas

Por lucas.cardoso

Rio - A gama do Jeep Compass é bem equilibrada. A versão mais básica, Sport flex, é dotada de bons atributos. E é justamente essa opção que foi testada pelo Automania na viagem de Ano Novo, bem mesclada entre asfalto e estrada de terra. A reportagem percorreu cerca de 180 km do Rio ao distrito de Três Cruzes, área rural de Santa Bárbara do Monte Verde, estado de Minas Gerais. Numa rápida impressão do que é conviver com esse SUV durante horas de estrada é: conforto garantido, desempenho modesto e carente de eficiência energética.

Por R$ 100 mil, o Compass Sport é equipado com motor 2.0 flex de 159/166 cv e 19,9/20,5 kgfm de torque (gasolina/etanol), associado com câmbio automático de seis marchas e tração dianteira. Ele mede 4,41 m de comprimento, 1,82 m de largura, 1,64 m de altura e 2,63 m de entre-eixos. O porta-malas comporta 410 litros. Em relação aos equipamentos, há de diferenciado controle de estabilidade (infelizmente ainda está longe de ser um item comum na frota), freio a disco nas quatro rodas, monitoramento da pressão dos pneus, assento traseiro com isofix e faróis de neblina direcionais. A interface multimídia de cinco polegadas, chamada de Uconnect, oferece câmera de ré e navegador GPS da TomTom. O freio de mão é elétrico.

Jeep Compass é bem equilibrado desde a versão de entrada%2C a Sport Flex. Motor poderia oferecer um pouco mais de desempenhoLeandro Eiró / Agência O Dia

Não à toa, os utilitários andam golpeando hatches médios, fora de moda ao gosto do brasileiro. Acomodar-se na cabine do Compass é algo fácil. Há espaço bem distribuído para o acesso e interação com o veículo. O ajuste da posição de dirigir é feita com alavancas manuais. O motorista fica numa altura ligeiramente elevada em relação aos demais carros de passeio e percebe a carroceria ampla. Essa sensação parece ser o motivo para o sucesso de vendas desse segmento. Volante, câmbio e demais controles estão posicionados como manda a boa ergonomia. E, assim como no Renegade, esse segundo Jeep brasileiro é caprichoso de acabamento interno, com destaque para o quadro de instrumentos com tela TFT — e olha que estamos apreciando a versão de entrada.

VIAGEM TRANQUILA

Estrada afora com o Compass Flex é uma experiência tranquila. Ele é bem silencioso e tem rodar agradável, proporcionado pelo trabalho do motor e câmbio. Sobre esse último, existe a opção por trocas manuais somente pela alavanca, não há borboletas no volante. No asfalto, os sistemas de suspensão e direção trabalham bem e não causam qualquer incômodo aos presentes, todos os cinco lugares estavam ocupados. Vale lembrar que a carroceria maior, assim como sua plataforma, exige mais cautela nas curvas, impressão bem percebida na região do município de Valença, no Sul Fluminense, com estradas estaduais bem sinuosas. Mas o SUV passa boa sensação de segurança, despreocupando e permitindo que se apreciasse a bonita paisagem local.

Espaço interno é satisfatório de posição de dirigir ligeiramente elevada é boa%2C dando sensação de superioridade.Leandro Eiró / Agência O Dia

Não que seja um revés do carro, mas o motor 2.0 é o maior agente de preocupação deste Compass. Primeiro, no âmbito de desempenho, encontramos um comportamento bem moderado, ausente de esportividade. A atenção aumenta consideravelmente na hora de uma ultrapassagem, por exemplo, no nosso caso ainda com assentos e porta-malas preenchidos.
A operação exige cuidado. Uma pisada forte no acelerador provoca a redução da caixa, o propulsor ‘enche’ mais rápido, mas não há resposta tão imediata. Para um melhor controle, a troca manual parece mais conveniente. Vale lembrar que as opções diesel preenchem esta lacuna e que serão oportunamente avaliadas nas próximas ocasiões.

O outro ponto de atenção é o consumo de combustível. Com o litro cada vez mais caro no nosso país, precisamos de fato de veículos mais econômicos.
Abastecido com etanol, o computador de bordo assusta a marcação de pouco mais de 5 km/l no ambiente urbano e o esforço tremendo para chegar ao 7 km/l na estrada, bem ao que está registrado no programa de etiquetagem do Inmetro. No mesmo relatório, os números com gasolina são 8,1 e 10,5 km/l, respectivamente. O Compass Flex obteve um ‘B’ na categoria e um amargo ‘D’ no geral.

Painel do utilitário esportivo tem tela TFT no quadro de instrumentos e central multimídia com GPS e câmera de réDivulgação

Off-Road

O asfalto sai de cena no caminho para Três Cruzes, logo ao deixar o centro de Rio Preto pela rodovia estadual local e acessando a estrada que leva até a área rural. Neste pavimento turbulento, o Compass tem vocação, transpondo bem as irregularidades e sem chacoalhar demais a cabine, evolução recente do segmento. Nos buracos mais severos, tem que passar devagarinho, pois ele não é tão alto assim (20,6 cm de vão livre). Mas, sem dúvida, é opção mais apropriada do que os demais carros comuns, dos muitos que foram vistos ‘sofrendo’ por lá. Mesmo sem a tração 4x4, foi esperto nas ladeiras que acusavam pouca aderência, aquelas recheadas de pedras soltas.

Não tivemos piso molhado, condição que aumentaria o nível de dificuldade da travessia. Por fim, a suave saída de traseira nas curvas até entra para diversão de dirigir neste território. Hoj,e a indústria continua proliferando os SUVs urbanos, como este talvez, atendendo a demanda. Mas pensamos que o barato maior deste tipo de carroceria é o que há de tão comum nesse nosso Brasil adentro: as bucólicas estradinhas de terra.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia