Falha na distribuição do Ministério da Saúde provoca escassez da pentavalente no SUS

Postos de vacinação também enfrentam problemas com reposição da vacina contra varicela e da tríplice bacteriana

Por O Dia

Os postos de saúde de Campos sofrem com a falta de vacinas, principalmente a pentavalente, por falhas na distribuição pelo Ministério da Saúde
Os postos de saúde de Campos sofrem com a falta de vacinas, principalmente a pentavalente, por falhas na distribuição pelo Ministério da Saúde -
Campos — Os campistas que buscam os postos de saúde da cidade para vacinar suas crianças já percebem os efeitos negativos das falhas no fornecimento das doses da pentavalente pelo Ministério da Saúde. O problema tem afetado os serviços do SUS em diversos municípios.
Em Nota Informativa, a Coordenação-Geral do Programa Nacional de Imunizações diz que encontrou “desvio de qualidade” em um lote de vacinas, em teste realizado pela Agência Nacional de Saúde. “Diante do exposto, haverá um lapso temporal para reabastecimento da rede com a vacina penta, uma vez que o contrato de aquisição de 8 milhões de doses do segundo semestre de 2019 e primeiro semestre de 2020 já foi firmado e os produtos já estão em processo de embarque”, diz a nota.
“A distribuição irregular dos lotes por parte do Ministério da Saúde está afetando o serviço. As salas de vacinação do município estão abertas, mas sem a reposição fica complicado”, lamenta Andréya Moreira, diretora da Vigilância em Saúde, que também aponta atraso na reposição das vacinas contra varicela e a tríplice bacteriana.
A vacina pentavalente é destinada a bebês a partir dos 2 meses de vida e previne contra cinco doenças: difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e doenças causadas por Haemophilis Influenzae tipo B. A imunização acontece geralmente aos 2, 4 e 6 meses.

Comentários