Dos 16 candidatos definidos em convenção, duas são mulheres.

 - Divulgação
Dos 16 candidatos definidos em convenção, duas são mulheres. Divulgação
Por Bertha Muniz
Publicado 19/09/2020 20:22 | Atualizado 21/09/2020 11:36
CAMPOS- Com o maior eleitorado do interior do Estado do Rio, a cidade Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, terminou sua disputa partidária para a prefeitura nesta semana.Um médico, um jornalista, um advogado, um construtor, um cantor e um petroleiro, além de professoras, militares e empresários, assim como políticos que já exerceram ou exercem mandatos estão entre os 16 pré-candidatos à Prefeitura de Campos nestas eleições, excepcionalmente marcadas para o dia 15 de novembro. Nos últimos dias, houve lançamentos e desistências.

Na terra dos guerreiros indígenas na nação Goytacá, já se sabe que 2020 será o ano de uma das eleições mais disputadas da história da política regional na majoritária, tendo em vista o cenário político que se desenha.
Publicidade

Traçamos um perfil dos postulantes à governar, a partir de 2021, um município de orçamento previsto para R$ 1,7 bilhão, mas com sérios problemas financeiros, em razão do elevado custeio da máquina administrativa e da não criação nos últimos anos de fontes de receita que pudessem compensar as perdas com a queda dos royalties.

As candidaturas ainda dependem de confirmação na Justiça Eleitoral, que deve ser feita até 26 de setembro. Veja nomes definidos em convenção de candidatos à Prefeitura de Campos nas eleições de 2020, em ordem alfabética.

Lista atual dos 16 pré-candidatos:
Publicidade

Alexandre Tadeu (PRB) – Jornalista, carioca, 53 anos, apresentador da TV Record/Campos, Tadeu Tô Contigo, como é também conhecido, usando um bordão de programas que conduz na emissora, elegeu-se vereador com apoio da Igreja Universal do Reino de Deus. Agora, se lança pré-candidato a prefeito e pode ter o coronel Ramiro, ex-comandante da PM de Campos, como candidato a vice.

Bruno Calil (SD) – Médico, debutante na política, é o mais novo postulante à prefeitura, tendo seu nome indicado esta semana como pré-candidato pelo presidente municipal do SD, deputado estadual Rodrigo Bacellar. Bruno terá o apoio de vários nomes, inclusive de vereadores de mandato, de uma aliança de 5 partidos: Solidariedade, DEM, MDB, PTC e PV.


Caio Vianna (PDT) – Formado em gestão pública, empresário da área de tecnologia e informação e filho de um dos mais carismáticos políticos da cidade, o ex-prefeito Arnaldo Viana. Herdeiro do capital político do pai, tendo sido seu assessor na Câmara dos Deputados, Caio vivenciou o ambiente da política na capital federal. Em suas conversas e entrevistas, Caio tem se declarado preparado para a disputa em 2020.O DC, cujo presidente regional é o deputado João Peixoto, de Campos, manifestou apoio à candidatura de Caio. 


Claudio Rangel (PMN) – Estreante na política, empresário do ramo de funerária e plano de saúde assistencial, Rangel é presidente do diretório municipal do PMN e tem usado bem as redes sociais com um discurso voltado para a valorização da agricultura como alavanca do desenvolvimento econômico do município.



Edmar Ptak (Pros) – Empresário, agropecuarista e advogado, Edmar apresenta o programa "Nos Bastidores da Política", onde expõe suas posições políticas de forma clara, frontalmente contrárias à administração do prefeito Rafael Diniz (Cidadania).


Fabiano Souza (PSL) – Coronel da Polícia Militar, comandou o 8º Batalhão da Polícia Militar em Campos de 2016 a 2018. Sob o seu comando, a PM esteve nas ruas de Campos combatendo a violência e não deu trégua para a criminalidade. Fabiano tem adotado um discurso de cautela e disse que está na fase de planejamento com o seu partido.


Jhonatan Paes – Empresário do ramo da construção civil, o pré-candidato possivelmente terá o ginecologista Constantino Ferreira como companheiro de chapa. Ele aposta no discurso da renovação política, que elegeu em 2018 o presidente Jair Bolsonaro.


João Damásio (Rede Sustentabilidade) – Cantor, compositor, ativista do movimento negro, ex-presidente da Fundação Zumbi dos Palmares e da Escola de Samba Mocidade Louca, Damásio enfatiza as questões da negritude e da sustentabilidade, mas seu discurso abrange propostas em diferentes áreas do desenvolvimento econômico e social.


Natália Soares (Psol) – Professora, 31 anos, feminista, formada em Serviço Social pela Universidade Federal Fluminense (UFF-Campos), leciona filosofia na rede estadual de ensino. É mestre e doutoranda pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf). Entre os anos de 2015 e 2017 foi presidente e vice-presidente do Conselho Municipal de Assistência Social de Campos


Odisséia Carvalho (PT) – Professora da rede estadual de ensino, militante sindical do Sepe (Sindicato Estadual dos Professores), Odisséia já foi vereadora, ao assumir a vaga do falecido vereador Renato Barbosa, morto num acidente automobilístico na Rodovia BR-101.


Lesley Bethoven (PSDB) - Técnico na área de exploração do petróleo e gás, na operação e manutenção de sondas de perfuração, Bethoven é presidente municipal do PSDB. Apaixonado por astronomia, ciência e tecnologia, foi candidato a vereador nas eleições 2008 e 2012.


Marcelo Mérida (PSC) – Empresário, presidente do PSC em Campos, 49 anos, Mérida já foi vice-prefeito de Italva, tendo sido ex-presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Campos (CDL) e, atualmente, preside a Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado do Rio de Janeiro (FCDL). Já foi candidato a deputado federal nas eleições de 2018, tendo alcançado 9.441 votos.


Rafael Diniz (Cidadania) – Atual prefeito de Campos. Primeiro, Diniz foi um vereador combativo, com postura agressiva, que impulsionou sua eleição em 2016. Advogado e servidor concursado da Prefeitura, é oriundo de uma família tradicional de políticos. Seu avô, José Carlos Vieira Barbosa (Zezé Barbosa), reinou como prefeito nas décadas de 1960 e 70 em Campos, enquanto o professor Sérgio Diniz, seu pai, também já falecido, foi vereador e deputado estadual. Depois de criticar de forma contundente o governo da ex-prefeita Rosinha Garotinho, Rafael hoje prova do mesmo veneno, com baixos índices de popularidade em seu fim de governo.


Roberto Henriques (PC do B) – Roberto trilhou desde cedo o caminho da política. Foi secretário e presidente da Fundação da Infância e Juventude no primeiro governo de Anthony Garotinho na prefeitura, depois foi secretário de Promoção Social em Ponte Nova (MG), candidato a vereador em Campos, mas acabou se elegendo vice-prefeito na chapa de Alexandre Mocaiber. Com o afastamento de Mocaiber, por corrupção, foi prefeito de forma interina. Depois, foi deputado estadual com 32.369 votos, tendo sido candidato o mais votado em Campos.


Wladimir Garotinho (PSD)– Deputado federal, 35 anos, Wladimir começou a carreira pelas mãos do pai, o ex-governador Anthony Garotinho. Foi presidente municipal do PR e coordenou as campanhas de Rosinha Garotinho, sua mãe, quando foi eleita prefeita de Campos, em 2008, e depois assumiu a coordenação da campanha do deputado estadual Bruno Dauaire, em 2014. Em 2018, chegou à Câmara Federal com 39.398 votos. Atualmente, concorre ao prêmio de melhor deputado na Câmara Federal.