Carol e Isabelle
Carol e IsabelleReprodução
Por O Dia
Nesta quarta-feira (28), a modelo Carol Bittencourt completa dois anos de morta após cair de uma lancha no mar em Ilhabela no litoral de São Paulo, durante uma tempestade e a filha, Isabelle, fez um relato emocionante sobre a dor que atravessou com a perda da mãe. Ela também contou como superou o trauma. "Uma das perguntas que mais recebo no Instagram é sobre como superei e como consegui seguir adiante. Acho muito importante que pessoas que passam por situações parecidas consigam ter relatos de outras pessoas. Então, decidi dar o meu relato", começou Isabelle.

"Para mim, foi muito difícil digerir. No primeiro instante, meu instinto foi abraçar todo mundo que estava em volta. Minha avó que estava mal, meu avô e meu padrasto. Eu queria abraçar todas essas pessoas e trazer para perto. Tomei o papel de quem cuida e não de quem é cuidada. Naquele momento, eu precisava ser cuidada. Acabei tomando esse papel porque eu queria. Só que eu não tinha noção de como isso poderia me prejudicar futuramente", revelou.
Isabelle contou também que teve um momento de rebeldia, de questionamentos e até a perda da fé. Com ajuda de psicólogos e  psiquiatras, ela também recorreu a parte espiritual. "Passei a entender que a minha mãe não tinha ido embora. Ela estava em outro plano. Um plano onde as pessoas evoluídas estavam, ou seja, aquilo não tinha sido um castigo. Tinha sido uma coisa boa, porque ela já tinha vivido tudo aqui neste mundo. Ela já tinha aprendido tudo que tinha para aprender. Já tinha feito as missões dela", disse Isabelle.

Publicidade
A filha de Carol Bittencourt diz que encontrou as respostas que tanto queria saber. "Ela estava pronta para esse outro campo espiritual. A partir desse momento, a minha vida ficou mais leve. Comecei a ler livros que tratavam dessa espiritualidade. Para mim, fez total sentido, porque quando lembro da minha mãe, lembro de uma pessoa feliz e que tinha muita luz. Quem a conheceu teve a possibilidade de presenciar essa luz e esse carisma. Ela viveu tudo que tinha para viver. Ela viajou, casou, o que era o sonho dela, teve uma filha e muito sucesso. Ela teve uma carreira linda, por mais que estivesse acabando a faculdade. Creio que tudo isso são fatores que mostram que ela terminou a missão dela aqui, que estava evoluída espiritualmente e conseguiu ir para um plano superior."

"Isso me conforta. Me conforta saber que não é só isso aqui. Não é possível que o universo, que Deus tenha feito só isso. Isso aqui é um grande campo de aprendizado, para o qual viemos para evoluir, acreditar e crescer. Acho que ela já tinha terminado a missão dela. Sei que vou reencontrá-la quando eu for evoluída o suficiente", completou a jovem.