Berçário de mudasFoto de divulgação de Mário Moscatelli

     Um berçário diferente. No lugar de bebês, são 40 mil mudas da espécie Mangue Vermelho. Ao invés de médicos e enfermeiros, são técnicos da equipe supervisionada pelo ambientalista Mário Moscatelli. A previsão é de que deixem a incubadora e ganhem vida independente já no ano que vem. É quando começa o programa de plantio no entorno do complexo lagunar de Jacarepaguá. 
     As primeiras já estão destinadas para a recuperação da Lagoa do Camorim. A vegetação vai ajudar a recuperar o corredor ecológico que se estende desde o Maciço da Tijuca até a Pedra Branca. Este trecho foi escolhido por ser um dos mais procurados por diversas espécies de animais para alimentação e reprodução.
Tem de tudo entre o lixo recolhido nas lagoas     
     A situação crítica da região não é novidade para ninguém. Mas mesmo assim, a quantidade de poluição sólida retirada vem surpreendendo até mesmo os experientes técnicos contratados pela concessionária. Só num trecho de 4 Km do espelho de água da Lagoa de Camorim foram recolhidas 45 toneladas de lixo. Vai de embalagens plásticas e fraudas descartáveis até ventiladores, sofás, pneus e animais mortos.
     O projeto de recuperação do complexo lagunar é avaliado em R$ 250 milhões. É financiado pela Iguá como parte das contrapartidas pela concessão do serviço de abastecimento de água e tratamento de esgoto de Jacarepaguá e da Barra da Tijuca. 
Crédito da Foto: Mário Moscatelli
Sugestões para a Coluna recebidas pelo e-mail: [email protected]