Campanha Adote um Ninhofoto de divulgação

Tema constante de piadas do tipo “proibidonas”. E também inspiração para músicas focadas no duplo-sentido, entre elas o clássico pagode imortalizado pelo grupo Fundo de Quintal e pelo cantor Dudu Nobre. Diz a letra...
“Papagaio deu uma mancada...
 Iludiu a coitada...
 E não quis se casar”
Mas a ave na vida real não é tão descolada como retratada nas anedotas e acordes musicais. O papagaio é muito mais conservador e caseiro do que se pensa.
Monogamia
Trata-se de uma ave monogâmica. Escolhe um único parceiro para toda a vida. As fêmeas procuram o par certo para a hora de incubar os ovos, inclusive com a tarefa de chocar e criar, funções divididas igualmente pelo casal.
No entanto o grande problema atual é: onde constituir esse lar? Esse é um processo cada vez mais complicado devido aos desmatamentos e derrubadas de árvores. Essa  falta de locais adequados está tornando cada vez mais difícil a continuidade da vida para essas aves.
Como adotar um ninho
O projeto busca incentivos tanto de pessoas jurídicas como físicas. É só escolher a quais espécies de papagaios que vai apoiar: Verdadeiro, Charão, Cara-roxa e Peito-roxo. Podem doar de R$ 1,00 a R$ 1 mil, ou, num campo especial, optar por valores mais altos. Essas operações podem ser feitas diretamente no site http://papagaiosdobrasil.com.br/adote-um-ninho/
O mais recente apoio chega pela Petronect – do segmento da tecnologia da informação - sediada no Rio de Janeiro. A empresa, com foco na prestação de serviço para o setor de óleo e gás, engrossa o grupo de apoiadores de forma direta e através do incentivo ao voluntariado entre os funcionários. 
"Entendemos que o nosso projeto de responsabilidade social, pode cuidar do meio ambiente. Apoiar o projeto Papagaios do Brasil nos deu a oportunidade, pela espécie e pela tecnologia voltada para a natureza. Além de falarmos em respeito a ela, claro, ajudamos a alertar sobre o tráfego da espécie papagaio verdadeiro, o maior do Brasil. - justifica Samuel Fernandes - gerente da Reconect 
O Programa Papagaio Brasil, que atua na proteção da espécie há duas décadas, detectou a dificuldade das aves em encontrar cavidades naturais e frestas nas árvores para construírem seus próprios ninhos. Por isso, além da criação de Unidades de Conservação, a entidade está fomentando o projeto “Adote um Ninho” e assim tentar compensar a degradação do ambiente provocada pelo homem.
Ninhos de aluguel
A proposta é promover a instalação de caixas de madeira ou PVC adaptadas para garantir o fluxo reprodutivo e monitorar o desenvolvimento - desde o ovo até o abandono do ninho pela autossuficiência. Foram feitos estudos e pesquisas para que o artificial se assemelhe ao máximo ao designer e material do ninho natural.
O projeto conta com apoio-técnico da Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS), para a efetivação da campanha de campo, que acontece durante o período reprodutivo dessas aves, entre agosto e fevereiro.
Sugestões para a Coluna pelo e-mail: [email protected]