Witzel e Maia juntos na recuperação fiscal do Rio

Governador e presidente da Câmara estão alinhados para articulação de adiamento do pagamento da dívida

Por PALOMA SAVEDRA

Witzel recebeu Rodrigo Maia e parlamentares do DEM na segunda-feira, no Palácio Guanabara
Witzel recebeu Rodrigo Maia e parlamentares do DEM na segunda-feira, no Palácio Guanabara -
A audiência da comissão foi para discutir a proposta de Lei Orçamentária Anual de 2020, com previsão de déficit de R$ 10,7 bilhões. E na reunião, o subsecretário de Planejamento explicou que o 'buraco' orçamentário pode cair para cerca de R$ 5 bilhões caso o pagamento do serviço da dívida que o Rio tem com a União seja adiado para 2023.
Ou seja, do total de R$ 10,7 bilhões de déficit orçamentário, cerca de R$ 6 bilhões são só referentes ao valor que o governo estadual deverá pagar ano que vem ao Tesouro Nacional.
A postergação do pagamento é justamente o que o Executivo fluminense articula com o Ministério da Economia e o Congresso, já que, para isso, é preciso modificar a Lei Complementar 159 (que criou o Regime de Recuperação Fiscal dos Estados).
Aliás, o governador Wilson Witzel esteve ontem em Brasília e o secretário de Fazenda, Luiz Cláudio Carvalho, também, para pautas que vêm acompanhando.
Mas Witzel também tem se aproximado cada vez mais do presidente da Câmara, rodrigo Maia (DEM), que já sinalizou que vai se empenhar em ajudar na pauta da renovação da recuperação fiscal do Rio.

Comentários