'Bloco dos servidores' bate ponto na folia e faz o Carnaval acontecer

Mais de 4 mil atuarão na Sapucaí, garantindo o funcionamento da cidade e segurança dos foliões

Por PALOMA SAVEDRA

Guarda José Fonseca de Lima comanda a escolta das alegorias
Guarda José Fonseca de Lima comanda a escolta das alegorias -

Nem só de foliões e desfiles de escolas de samba se faz um Carnaval. Durante o Reinado de Momo, o 'Bloco dos servidores' bate ponto diariamente e arrasta o seu cordão para fazer a festa acontecer, garantindo o funcionamento dos equipamentos públicos e do trânsito, além da saúde e segurança de cariocas e turistas.

Só no entorno e dentro do Sambódromo, serão mobilizados, por dia, 4.840 servidores, entre médicos, enfermeiros, guardas, garis, agentes de trânsito, PMs e bombeiros militares.

A Guarda Municipal do Rio será o órgão com mais agentes atuando no dia a dia: 3.150 guardas estarão na área externa e interna da Sapucaí para seis dias de desfile (de sexta até terça-feira e no sábado das campeãs).

O veterano de 'Guarda', José Fonseca de Lima, 54 anos, faz parte desse grupo. Lima, aliás, coordena um trabalho fundamental para um belo espetáculo na Avenida: é responsável pela equipe que faz a escolta dos carros alegóricos (da Cidade do Samba até a Marquês de Sapucaí) com 10 motociclistas do Grupamento Especial de Trânsito.

Dos 28 anos de Guarda Municipal, ele atua há cinco nesse trabalho no Carnaval. E ressalta: "Tem que ter gente para fazer a cidade funcionar".

Com toda essa experiência, não lhe faltam histórias e até 'conselhos' às agremiações. "Às vezes vemos que nesse trabalho de escolta as escolas constroem carros maiores que o tamanho do viaduto. Nesse momento, fazemos o desvio do trânsito, e ajudamos até a cortar parte da alegoria para a escola chegar a tempo do desfile", conta.

Vale lembrar que cerca de 100 guardas decidiram entrar em greve a partir de hoje. O comando da GM-Rio, porém, diz que não haverá paralisação e que o grupo não representa a maioria do efetivo.

Atenção na saúde, limpeza e tráfego

No Sambódromo, a Secretaria Municipal de Saúde fica responsável por sete postos médicos com 145 profissionais. Em cada dia, o plantão terá em média 30 médicos, 17 enfermeiros e 30 técnicos de enfermagem. Para os blocos, haverá quatros postos no Centro e Zona Sul.

A limpeza diária da Sapucaí ficará a cargo de 485 garis, com o apoio de 37 veículos. Na área externa do Sambódromo e do Terreirão do Samba, haverá 142 garis. E nos 76 palcos de festas, a Comlurb vai atuar com 450 funcionários.

No tráfego da região do Sambódromo, serão 260 operadores de trânsito da CET-Rio.

PMs e bombeiros a postos pela segurança

A Polícia Militar do Rio mobilizará 44.753 policiais e 1.242 viaturas em todo o estado. E na região da Cidade Nova, onde ficam o Sambódromo e o Terreirão do Samba, a corporação deixará 600 policiais posicionados em locais estratégicos.

Já o Corpo de Bombeiros, que iniciou ontem a Operação Carnaval, deixará 200 militares por dia dentro e fora do Sambódromo. A corporação deixará viaturas de busca e salvamento, atendimento pré-hospitalar e de combate a incêndio posicionadas em áreas consideradas estratégicas.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários