Refugiados e brasileiros têm oportunidade de recomeçar

Curso gratuito para a formação de cuidador de idosos, crianças e pessoas com deficiência tem vagas

Por Bernardo Costa

O venezuelano Oswaldo Moncayo, de 41 anos, com o diploma de conclusão do curso: novas perspectivas
O venezuelano Oswaldo Moncayo, de 41 anos, com o diploma de conclusão do curso: novas perspectivas -

Rio - A venezuelana Ereysis Salazar, de 34 anos, é formada em Administração. Após o governo intervir no banco em que trabalhava, na cidade de Guárico, ela foi demitida. Passou a atuar como manicure. Mas o salário mínimo que recebia não garantia o sustento dela e de suas duas filhas. A opção foi vir para o Brasil. Na capital fluminense, ela foi encaminhada pela Cáritas Arquidiocesana para o Curso de Cuidador, oferecido gratuitamente pela empresa Furnas, no Centro do Rio. Pode ser o recomeço para Ereysis e outros refugiados como Oswaldo Moncayo e Ana Maria Guerra Herrera, da Venezuela, e Mimy Manza, do Congo, que buscam novas oportunidades de trabalho no Brasil.

As inscrições estão abertas para a nova turma, que inicia os estudos no dia 14. "Estou trabalhando como manicure aqui no Brasil. Com o diploma do curso, posso ter mais chances, pois estou morando em Copacabana, onde vivem muitos idosos que podem precisar dos meus serviços", diz Ereysis Salazar, que incluiu a capacitação no currículo e busca emprego na área.

Públicos diversos

A venezuelana foi colega de turma de Fátima de Freitas Bezerra, de Duque de Caxias. Elas concluíram a carga horária de 180 horas do programa de capacitação, que forma profissionais para atuar não apenas com idosos, mas também com crianças, adultos e pessoas com algum tipo de deficiência. Foi o que atraiu o interesse de Fátima, que já trabalhava como cuidadora de idosos e pôde ampliar os conhecimentos no trato com outros públicos.

Fátima, de 50 anos, concluiu as aulas em julho. E já colocou em prática as novas técnicas que aprendeu. Ela é voluntária de um projeto social na comunidade do Vidigal, no Leblon. Numa roda de leitura, acompanhou uma criança autista. "O menino apareceu na atividade e eu me senti preparada pra cuidar dele. Fiquei ao lado todo o tempo, segurando na mão dele e tentando prender sua atenção para a tarefa que estava sendo proposta", conta Fátima.

Ereysis também já colocou em prática o que aprendeu no curso. Além disso, adquiriu gosto por uma nova profissão. "Ao longo das aulas, me apaixonei pela atividade. Por enquanto, consegui uma diária como cuidadora. Mas sinto que posso trabalhar muito mais", diz.

Inscrições

- No local

As inscrições no Curso de Cuidador devem ser feitas pessoalmente no local em que acontecem as aulas, na Rua Regente Feijó 63, sala 301, Centro. O cadastro às vagas pode ser feito das 9h30 às 12h e das 14h às 17h.

- Requisitos

É preciso ter idade acima de 18 anos e apresentar cópias do currículo, RG, CPF, comprovante de residência e certificado de conclusão do Ensino Fundamental. O candidato ainda deve escrever uma carta com os motivos para fazer o curso. No caso de refugiados, é preciso apresentar algum documento de identificação.

- Banco de dados

O curso tem mais de 20 disciplinas, que envolvem noções como preparo de alimentos e primeiros socorros, entre outros assuntos. O currículo dos alunos fica num banco de dados, que pode ser solicitado pelo telefone 2528-2314.

Galeria de Fotos

O venezuelano Oswaldo Moncayo, de 41 anos, com o diploma de conclusão do curso: novas perspectivas Ana Carla da Costa / Divulgação
Fátima Bezerra (acima) e Ereysis Salazar (de vestido azul, abraçada à professora) concluíram as aulas, oferecidas por Furnas Divulgação

Comentários

Últimas de Empregos e Negócios