Nova modalidade do turfe deve atrair maior público em 2019

Raça trotador francês será desenvolvida no Brasil para fomentar corridas de trote

Por

Rio - Outra iniciativa para desenvolver a atividade de turfe no país é a implantação da modalidade de corridas de trote. Diferente do galope, ela tem um ritmo mais lento. O jóquei fica posicionado numa pequena charrete puxada pelo animal. O primeiro grupo de seis éguas da raça trotador francês já chegou ao Brasil. Elas foram importadas numa parceria entre a PMU Brasil, a Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo Trotador (ABCCT) e a LeTrot, associação que organiza as corridas de trote na França e cuida do desenvolvimento da raça trotador francês no mundo.

Proprietário de uma das éguas importadas, o criador e ex-jóquei Mario Vicensio esteve envolvido na gestões com os franceses para o desenvolvimento da raça no Brasil. "Nossa intenção é promover as primeiras corridas com este lote já em 2019. O trote é o grande trunfo para o turfe nacional, pois é um esporte que atrai mais público e praticantes a cada dia", diz.

Aproximar-se do público que acompanha futebol é outra forma que PMU Brasil busca para atrair novos interessados no turfe. Na campanha criada pela agência Onzevinteum, o slogan 'nos cavalos não tem zero a zero' faz alusão ao placar frustante de uma partida de futebol.

Comentários

Últimas de Empregos e Negócios