Mulheres são maioria em cargos de estágio

Entretanto, nos cursos voltados para área de tecnologia, elas são minoria

Por

Diferentemente do cenário de contratação no mercado de trabalho, no qual 44,1% das mulheres estão empregadas, enquanto os homens ocupam 55,9%, segundo o IBGE, em programas de estágio as mulheres atuam na maioria das vagas. Segundo a Fundação Mudes, são 60,17% de mulheres, contra 39,63% de homens. Porém, em cursos de tecnologia elas ainda são minoria. 

A pesquisa levou em conta o banco de dados da instituição, com mais de um milhão de estudantes cadastrados. Outro ponto positivo é que entre as dez carreiras com mais estagiários seis coincidem entre ambos os sexos: Administração, Direito, Ciências Contábeis, Comunicação Social, Turismo e Psicologia.

Para a especialista em Recrutamento e Seleção da Mudes, Cíntia Monteiro, os dados indicam um avanço na política das empresas. "Hoje, observamos que algumas empresas, em geral as de médio a grande porte, até elaboram novos códigos de conduta e atualizam suas práticas de Recursos Humanos, para garantir que os objetivos de equidade e de diversidade sejam cumpridos", explicou.

Mas ainda há muito o que melhorar. Cursos em alta por conta dos avanços em tecnologia ainda têm maioria absoluta de homens, como Ciência da Computação (82,2%), Análise e Desenvolvimento de Sistemas (80,8%) e Sistemas de Informação (80,7%).

Na visão de Cíntia, somente boas práticas no processo seletivo não são suficientes, pois a discrepância é um reflexo do baixo número de alunas matriculadas em cursos na área tecnológica. "O ideal seria estimular as meninas desde a base escolar a experimentarem o terreno das ciências exatas e da tecnologia, para que façam escolhas profissionais independente daquilo que é visto como comum no mercado de trabalho".

Comentários