Haddad aciona TSE contra campanha de Bolsonaro por abuso de poder econômico

Caso gira em torno da empresa de ar condicionado Komeco, que divulgou áudio direcionado a seus funcionários solicitando que usem adesivos e camisetas de apoio ao candidato do PSL

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Fernando Haddad e Jair Bolsonaro
Fernando Haddad e Jair Bolsonaro -

Brasília - A Coligação "O Povo Feliz de Novo", formada pelos partidos PT, PCdo B e Pros, acionou, nesta terça-feira, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que seja aberta uma investigação por abuso de poder econômico contra a campanha do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro. O caso gira em torno da empresa de ar condicionado Komeco, localizada na cidade de Palhoça, na região da Grande Florianópolis (SC).

Ao pedir a instauração de uma ação de investigação judicial eleitoral, a coligação de Fernando Haddad pretende que, ao final da apuração, a Corte Eleitoral declare Bolsonaro inelegível por oito anos.

A coligação acusa o presidente da Komeco, Denisson Moura de Freitas, de ter gravado um áudio direcionado a funcionários solicitando que os empregados usem adesivos e camisetas de apoio a Bolsonaro. De acordo com o PT, no áudio, Denisson afirma que a empresa irá contribuir para a compra dos materiais e que os funcionários da Komeco irão trabalhar durante a "semana Bolsonaro" uniformizados com a camiseta.

A acusação da coligação de Haddad é a de que a campanha de Bolsonaro está ganhando reforço financeiro "que não está compatibilizado nos gastos" oficiais divulgados ao TSE, mas cujos resultados serão usufruídos pelo candidato do PSL.

Desequilíbrio

Para a coligação do candidato petista, a ação de investigação tem o objetivo de "evitar o desequilíbrio do pleito e o abuso do poder econômico, uma vez que tal prática tem potencial suficiente para comprometer o equilíbrio do pleito eleitoral de 2018".

Procurada pela reportagem a Komeco não havia respondido até a publicação deste texto. A campanha de Bolsonaro ainda não se manifestou sobre o caso.