Pai de Kevin reclama da libertação de corintianos: 'Como se fossem heróis'

Justiça boliviana libertou sete dos doze torcedores que estavam presos em Oruro por morte do garoto de 14 anos

Por felippe.franco

Bolívia - A libertação de sete dos 12 torcedores do Corinthians investigados pela morte de Kevin Beltrán Espada deixou o pai do garoto insatisfeito. Em entrevista, Limbert Beltrán reclamou da medida tomada pela Justiça boliviana na última quinta-feira.

"Nos dá raiva a forma como saíram, sem pena nem respeito algum. Pareciam ter conquistado a Copa do Mundo, como se fossem heróis sofridos, mas na realidade tinham tudo (na prisão), até TV a cabo, e estavam em melhores condições que os réus do meu país", afirmou Limbert.

Corintiano detido na Bolívia deixa prisão em OruroReuters

Kevin, 14 anos, morreu ao ser atingido por um sinalizador disparado do setor ocupado pela torcida do Corinthians no jogo contra o San José, disputado no dia 20 de fevereiro, pela Copa Libertadores. Desde a tragédia no Estádio Jesús Bermúdez, 12 brasileiros estavam presos em Oruro.

Em uma medida comemorada pelo Corinthians por meio de seu site oficial, a Justiça boliviana libertou os sete torcedores por entender que não há provas da participação deles na morte do garoto. Para Limbert Beltrán, a pressão política exercida pelo Brasil pesou.

"Ficamos surpresos pela rapidez com que atuaram os diplomatas do Brasil para libertar os sete. Percebe-se que suas ações nas altas esferas tiveram efeito. Espero que estejam trabalhando da mesma forma para fazer justiça em relação à morte do meu filho", declarou.

Um menor de idade brasileiro, já ouvido pelo promotor encarregado do caso em Oruro, assumiu a autoria do disparo em São Paulo. O pai de Kevin, por sua vez, acredita que o responsável pela morte do garoto está entre os 12 torcedores presos no dia da partida, dos quais cinco seguem detidos.

Inconformado com a decisão de soltar parte dos investigados pela morte de Kevin, Limbert lamenta. "Fico chateado porque esqueceram que tiraram a vida do meu filho de 14 anos e que ele não vai voltar para a casa sorridente para abraçar a sua família", declarou.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia