Presidente do Palmeiras admite conversa com o Fluminense para solucionar 'caso Scarpa'

Nesta semana, o clube carioca conseguiu o bloqueio de R$ 200 milhões de Scarpa e do Palmeiras como forma de garantia em caso de vitória definitiva do Fluminense no caso

Por O Dia

Gustavo Scarpa
Gustavo Scarpa -

Rio - A batalha judicial envolvendo Fluminense e Gustavo Scarpa vem se arrastando durante toda a temporada de 2018. Clube atual do apoiador, o Palmeiras observa de longe o desenrolar do caso, mas o Alviverde poderá em breve se meter no assunto. O presidente do clube paulista, Maurício Galiotte, disse que mantém diálogo com o Tricolor para tentar uma resolução o mais rápido possível entre as partes.

"Temos também o contato com o Fluminense. Existe o diálogo com o Fluminense. É nosso objetivo e em mais algum tempo esperamos chegar a um acordo se conseguirmos resolver. Se não, vamos discutir juridicamente, mas acho que todos perdem neste caminho. Através do diálogo entre todos, esperamos resolver. Hoje está no departamento jurídico. Mas nossa expectativa é resolvermos da melhor maneira"o", disse em entrevista à ESPN Brasil.

No momento, o apoiador atua com base em um habeas corpus concedido pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) em junho que rescindiu indiretamente o contrato com o Fluminense. Nesta semana, porém, o clube carioca conseguiu o bloqueio de R$ 200 milhões de Scarpa e do Palmeiras como forma de garantia em caso de vitória definitiva do Tricolor no caso.

Contratado pelo Palmeiras no começo deste ano depois de buscar na Justiça o rompimento unilateral com o Fluminense, Scarpa ficou impedido de jogar em grande parte da temporada por causa de uma decisão da decisão da Justiça do Trabalho do Rio de Janeiro. O caso ainda não está encerrado, mas o habeas corpus garante que ele possa jogar pelo Palmeiras até uma decisão definitiva. O meia pediu liberação do Tricolor alegando uma dívida de seis meses de FGTS e de três meses de direito de imagem.

Últimas de Esporte