Viagem de família: Mendel com a mulher e o filho Arthur, de 5 anos - Reprodução
Viagem de família: Mendel com a mulher e o filho Arthur, de 5 anosReprodução
Por O Dia
Publicado 27/08/2020 10:29 | Atualizado 27/08/2020 10:41
Rio - O repórter Mendel Bydlowski falou abertamente pela primeira vez sobre a morte do filho Arthur, de 5 anos. Em entrevista emocionante ao portal "UOL", o jornalista desabafou sobre como tem feito para lidar com a tragédia com a criança, que morreu após cair da janela de um apartamento no Guarujá.

Galeria de Fotos

Mendel Bydlowski Reprodução
Mendel Bydlowski Reprodução
Mendel Bydlowski Reprodução
Mendel Bydlowski Reprodução
Mendel Bydlowski Reprodução
Mendel Bydlowski Reprodução
Mendel Bydlowski com o filho Arthur, que faleceu na última sexta-feira, e a família Reprodução
Viagem de família: Mendel com a mulher e o filho Arthur, de 5 anos Reprodução
Mendel Bydlowski Reprodução
"O Mendel que eu conhecia morreu junto com o Arthur. Nos meus pensamentos e nos meus projetos, o Arthur está inserido. Tudo o que eu imaginava pra fazer amanhã, no fim de semana, nas próximas férias, ele estava inserido. Tive que deixar o pai do Arthur lá pra trás. E viver com a memória e a saudade dele, mas tentando construir um novo Mendel devagarzinho. Que tem o Arthur de outra forma. E que tem o Tomaz [o filho caçula], e que tem a Juliana, e que tem o meu trabalho. Eu sinto muita falta do que eu era com ele. Das trocas, do olhar, dos abraços", desabafou.
Publicidade
"Machuca muito cada primeira vez. Ver as fotos recentes dele traziam um impacto muito grande. Mas, à medida que você vai olhando e se acostumando com elas, dá para absorver de uma maneira menos dolorida. Você vai experimentando e vendo o que machuca menos. Os objetos que o Arthur era mais ligado nós colocamos numa caixa —que são poucos, porque ele era desprendido —que ainda não dá para abrir. Mas o resto a gente doou porque não conseguia ver", completou o jornalista.
Mendel também explicou os motivos que levaram ele e a família a continuarem vivendo no mesmo apartamento em que moravam com Arthur.
Publicidade
"Estando aqui, neste apartamento, tenho um pouco do Arthur em cada cômodo. É sofrido. Mas talvez, lá na frente, seja algo que traga ele de volta. E também é difícil pensar em outra pessoa vivendo aqui. Também colocamos o Tomaz na mesma escola em que o Arthur estudava. Vamos ver, depois da pandemia, como vai ser. Tem ainda a escolinha de futebol do Arthur, que fez algo bonito para homenageá-lo. Esse ano, o troféu do campeonato deles vai levar o nome do Arthur. Então, eu penso por que não colocar o Tomaz pra treinar lá, também. A gente vai, devagarzinho, vendo o que machuca, o que não machuca e tomando as decisões no meio do caminho", afirmou.