Felipe Melo detalha reunião com o Fla: 'Diferença impossibilita o acordo'

Volante abre mão de metade do salário que recebe na Turquia, mas valor ainda é alto para os padrões do Rubro-Negro

Por fabio.klotz

Rio - O desejo de retornar ao Brasil e ao Flamengo esbarra na diferença salarial. Felipe Melo abre mão de uma boa parte do salário que recebe na Turquia, mas, mesmo assim, o acordo financeiro com o Rubro-Negro não é possível. O volante detalhou a reunião que seu pai teve com o clube e agradeceu o esforço do Flamengo.

O volante Felipe Melo, do Galatasaray, se pronunciou na noite desta terça-feira, dia 14, sobre a possibilidade de deixar...

Posted by Felipe Melo on Terça, 14 de julho de 2015

Felipe Melo tem mais um ano de contrato com o Galatasaray. Porém, vê com bons olhos retornar ao clube que o revelou e torce. O Flamengo abriu as portas, mas não conseguiu chegar a um acordo. Para não ser tratado como "mercenário", o volante explicou a situação.

Confira o depoimento de Felipe Melo

"Quero esclarecer todas as questões que envolvem a possibilidade de eu deixar o Galatasaray, tentando ser o mais transparente possível. Tudo que não quero é ficar rotulado como mercenário pela torcida do Flamengo.

Hoje, tenho mais um ano de contrato com o Galatasaray, onde sou ídolo, tenho um carinho recíproco, a ponto de tatuar os títulos que conquistei, e estou estabelecido em Istambul.
O que aconteceu foi, sim, uma vontade muito grande de retornar ao Brasil, depois de quase uma década jogando na Europa. O Flamengo, pela identificação com o clube, por ter começado a carreira lá, por ter feito aos 17 anos o gol que salvou o time do rebaixamento, por ter conquistado títulos, por me assumir, desde sempre, rubro-negro e pelo meu futebol, claro, me abriu as portas.

Meu pai se reuniu, como todos já tomaram conhecimento, duas vezes com a diretoria. Houve interesse, pelas duas partes, e eu, para voltar ao clube e atendendo a pedido de milhares de torcedores que, graças a Deus, me bombardearam com mensagens de carinho, passei ao Flamengo que abriria mão de metade do meu salário atual para voltar ao Brasil. Com descontos, recebo, dando retorno ao clube que defendo, quase R$ 1,5 milhão mensais. Quem abre mão da metade de um salário desses não pode ser visto de nenhuma forma diferente de quem realmente quis retornar por amor ao clube, já que tenho contrato, repetindo, por mais uma temporada.

Entendo e respeito todo o carinho e o sentimento do torcedor e da diretoria do Fla, que está trabalhando com os pés no chão, dentro da realidade do clube, mudando a maneira de se administrar futebol no Brasil e não poupou esforços para poder me receber de braços abertos, mas a diferença no acordo impossibilitou, pelo menos dessa vez.

Recebi mais três propostas do futebol europeu e, depois de duas descartadas, uma ainda está em andamento, tratada pelo meu agente, assim como a do Cruzeiro, até onde sei.
Sobre o Cruzeiro, outro clube que tenho identificação, onde conquistei a tríplice coroa, no ano mais azul da história do clube, não fui procurado diretamente. Meu agente me passou que houve uma proposta oficial e, até ontem, quando falei com ele pela última vez, estavam conversando.

Mais sincero que isso, como sempre fui, impossível. Espero que tenha esclarecido tudo que os torcedores queriam saber. Independentemente de voltar ou não para o Brasil, nesta janela, agradeço, de coração, o interesse de dois clubes como Flamengo e Cruzeiro. Para mim é uma honra. Vou orar para que Deus aponte o melhor caminho."

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia