Com relevância nos bastidores, 'Fla-Twitter' vira termômetro da torcida no Flamengo

Rede de torcedores no microblog fazem campanhas por contratações e até pautam a imprensa

Por Yuri Eiras

Jogadores do Flamengo veem e são vistos nas redes sociais
Jogadores do Flamengo veem e são vistos nas redes sociais -
 Rio - As redes sociais ganharam relevância na política brasileira. Parlamentares, ministros e até o presidente da República recuam ou avançam em estratégias conforme a opinião coletiva. Não seria diferente no clube mais popular do país, já que o futebol é parte importante da vida nacional. A 'Fla-Twitter' é uma rede de rubro-negros para lá de ativos no microblog. Eles refletem a opinião geral da torcida, defendem o clube contra os adversários, pautam a imprensa e têm voz nos bastidores da Gávea. Só 'twittada violenta'.
O estilo do Twitter é de mensagens curtas, diretas, e os jornalistas costumam preferir a rede social como ferramenta de trabalho para publicar informações. Com a possibilidade de interagir com os repórteres, a 'Fla-Twitter' especula jogadores, opina sobre contratações e até as sugere, como foi o caso do goleiro Diego Alves e do treinador Reinaldo Rueda. A pressão é tanta que houve caso até de a diretoria voltar atrás numa negociação. "Um dirigente que trabalhava no futebol me disse em off (em anonimato) que estava apalavrado com um jogador. A negociação vazou e após grande rejeição da torcida no Twitter, o nome foi vetado", comenta o rubro-negro Tulio Rodrigues, membro ativo da 'FlaTT' e colunista no blog 'Ser Flamengo'.
"Acredito que seja porque o Twitter é a fonte de notícia em tempo real. Tudo chega lá primeiro. Os torcedores percebem que é onde tem mais chance de serem lidos por jornalistas e terem até seus tweets destacados, inclusive em programas de TV", opina o designer gráfico, produtor de cinema e 'twitteiro' rubro-negro Bruno De Laurentis. "Acredito que a 'FlaTT' tem sim influência no clube. Ex-dirigentes da gestão passada, profissionais e amadores, já assumiram que sim ao saírem do clube", conta.
Se o Twitter teve influência na contratação de jogadores, também fez peso na balança em algumas demissões. Na época da má fase de Alex Muralha na meta rubro-negra, no segundo semestre de 2017, a torcida fez campanhas maciças para a barração do goleiro. O coro ganhou ainda mais força quando alguns usuários divulgaram vídeos dos treinos comandados pelo preparador de goleiros Victor Hugo. Segundo relatos, um vice-presidente chegou a enviar mensagens privadas pedindo para que a campanha contra o preparador cessasse, para não desestabilizar o clima no clube. Em janeiro, Victor Hugo foi demitido.
O alvo mais recente das críticas da Fla-Twitter foi o ex-técnico do Flamengo, Abel Braga. Pouco pelos resultados, mais pelo desempenho em campo. Essa, aliás, é outra característica da rede de rubro-negros: costumam ser atentos a cada detalhe do jogo. Nada passa despercebido. O '#ForaAbel' começou nas redes sociais, e em pouco tempo ganhou o Maracanã e parte da diretoria. A queda era inevitável.
"Grande parte dos conselheiros do clube tem conta no Twitter e por ele se manifesta. Assim, a opinião deles se mistura à da Nação e aumenta a ressonância de qualquer crítica dentro do clube", comenta Bruno De Laurentis.

Comentários