Informe do DIA: A Jornada e o bispo

Decisão de Arquidiocese de propor a JMJ na cidade teve objetivo de reforçar liderança de Dom Orani entre cariocas

Por thiago.antunes

Rio - A decisão da Arquidiocese do Rio de propor a realização da Jornada Mundial da Juventude na cidade teve, além de objetivos pastorais, o de reforçar a liderança de Dom Orani João Tempesta entre os católicos cariocas.

Em 2009, Dom Orani assumiu uma arquidiocese dividida entre simpatizantes de dois antecessores, ambos poderosos cardeais: Dom Eugenio Sales, que exerceu o cargo por 30 anos, e Dom Eusébio Scheid. Este último chegara a demitir dezenas de funcionários da gestão anterior. Depois, sua administração seria acusada de irregularidades.

Identidade

Num primeiro momento, Dom Orani — que ainda não ganhou o título de cardeal — readmitiu pessoas ligadas a Dom Eugenio. Depois, procurou sair da sombra dos antecessores e tratou de imprimir sua marca, o que incluiu a proposta de realização da Jornada.

O diplomata

Governo do estado e prefeitura sequer foram consultados por Dom Orani quando ele decidiu enviar à Europa, para apresentar a candidatura carioca, o coordenador de eventos de massa da Arquidiocese,padre Omar Raposo.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia