Adolescentes negam participação em estupro coletivo no Morro da Mineira

Suspeitos afirmam que cada um teria pago o valor de R$ 5 pelo sexo com jovem de 18 anos

Por tamyres.matos

Rio - Três adolescentes se apresentaram voluntariamente na 6ª DP (Cidade Nova) para depor no inquérito sobre o suposto estupro contra uma jovem de 18 anos, no Morro da Mineira, domingo. Suspeitos, eles disseram que houve sexo com consentimento e que cada um teria pago R$ 5 pelo ato.

A jovem que afirma ter sido estuprada no domingo por quatro homens após festa no Morro da Mineira, no Catumbi, prestou depoimento durante quatro horas na segunda. Depois, acompanhou policiais em buscas na tentativa de achar os agressores. A jovem fez exames no Instituto Médico Legal (IML), mas o laudo ainda não ficou pronto.

Agentes da 6ª DP (Cidade Nova) já teriam identificado parte do grupo. “A vítima, que conhece um dos agressores, tinha saído de estabelecimento que tocava música funk, mas não houve baile. Temos várias diligências a fazer e testemunhas a ouvir. Vamos chegar ao grupo em breve”, prometeu a delegada da 6ª DP, Valéria Aragão.

Policiais e jovem estuprada percorreram locais por onde ela teria passado com os estupradoresErnesto Carriço / Agência O Dia

A comunidade conta com um Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) desde maio de 2011. A adolescente contou que foi abordada quando estava com uma amiga, que conseguiu fugir. Moradora do Morro da Coroa, no Catumbi, a jovem disse que conhecia um dos estupradores, morador da Mineira. Segundo ela, o rapaz tinha feito duas propostas de relacionamento, mas não foi correspondido. A vítima contou ter sido abordada por ele, por volta das 4h, quando saía do baile em que ele também estava.

Como tentou fugir, o rapaz teria chamado outros sete amigos que a agrediram. Um deles estaria armado. Da porta do baile, na quadra do Morro da Mineira, ela foi levada para a Avenida 31 de Março, no Catumbi, na localidade Chaminé. O crime durou cerca de duas horas e aconteceu próximo à Clínica da Família Sérgio Vieira de Mello, segundo ela.

'Me viram sendo estuprada, mas ninguém fez nada'

Às 7h, a jovem encontrou policiais da UPP do Morro São Carlos que a levaram à delegacia e a dois hospitais para tomar remédios. Na 6ª DP, viu fotos de bandidos, mas não reconheceu nenhum. A vítima também perdeu o celular.

“Muitas pessoas me viram sendo estuprada, mas ninguém fez nada. Queria que os criminosos fossem presos, mas acho que não vai acontecer nada com eles”, disse na delegacia. A estudante cursa o 1º ano do Ensino Médio. Parentes da vítima não aprovavam a amizade dela com a jovem de 16 anos que a acompanhou no baile e que mora no Morro dos Macacos.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia