Mais Lidas

Acusado de pichar estátua de Carlos Drummond presta depoimento

Pablo Lucas Faria, que é de Minas Gerais, se entregou na Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente nesta segunda

Por bianca.lobianco

Pablo Lucas Faria é apontado pela polícia como autor de pichações a monumentosDivulgação

Rio - Pablo Lucas Faria, acusado de ter pichado a estátua de Carlos Drummond de Andrade, no dia 25 de dezembro, na Praia de Copacabana, se entregou nesta segunda-feira na Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA). Ele prestou depoimento, disse estar arrependido, e foi liberado.

O delegado José Fagundes de Rezende autuou Pablo por crime ambiental. A pena pode render até um ano. A possibilidade de acusar o pichador por formação de quadrilha também é cogitada pelo delegado, já que ele teria outros antecedentes, o que complicaria a situação do comerciante de Uberaba, Minas Gerais.

O homem foi identificado por meio de vídeos por agentes da DPMA. Ele aparece pichando a estátua na Avenida Atlântica. Uma mulher que estava com ele participando do ato foi identificada apenas como Mel. Segundo o delegado, a mulher ainda não foi encontrada. Durante depoimento, Pablo afirmou que a suspeita seria apenas uma conhecida da rede social Facebook. Segundo ele, ela se chamaria Melissa.

No dia 3 de janeiro, o advogado de Pablo, Sérgio Hebert da Silva Fonseca, teria feito uma proposta à polícia do Rio para que seu cliente se entregasse em Minas Gerais. Segundo ele, Pablo estaria com medo de ter que se apresentar na capital carioca por conta da repercussão do caso. De acordo com a defesa, o homem está “arrependido e sua família, arrasada”.

Estátua é mais uma vez alvo de atos de vandalismo

Essa é a segunda vez que a estátua é pichada. A primeira vez foi em 2002, meses depois da inauguração. Ainda no dia 25 de dezembro, dia que ocorreu a pichação, o comerciante Herbert Parente, limpou a estátua voluntariamente.

Estátua foi alvo de vandalismo mais uma vezAndré Balocco / Agência O Dia

No dia 27 de dezembro, dois dias depois do ocorrido, agentes da DPMA identificaram o acusado por meio de um vídeo. O produtor é suspeito de também ser o autor das pichações na estátua de Zózimo Barroso do Amaral, no Leblon, e do monumento de Estácio de Sá, no Aterro. A confirmação da identidade veio por meio de informações de outros pichadores e da consulta ao banco de dados especializado da polícia.

Não é a primeira vez que o produtor de eventos Pablo Lucas Faria é autuado. O DIA verificou que em março de 2012, ele foi acusado de pichar um muro na Freguesia e o caso foi registrado na 41ª DP, no Tanque.

Mesmo assim, ele não escondeu sua atuação. Faria registra mês a mês na internet no endereço “www.metroflog.com/quase” diversas fotos de suas pichações pela cidade. O viaduto da Leopoldina e prédios na região da Praça da Bandeira, por exemplo, aparecem nas imagens.
A ‘assinatura’ da pichação nos monumentos ajudou no reconhecimento por ser semelhante à utilizada por ele em suas páginas na internet.


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia