Namorado e família de dançarina morta eram contra a cirurgia plástica

Eu falava que ela não precisava fazer nenhum retoque. Ela estava linda', lamentou o namorado Wallace Valadares

Por nicolas.satriano

Rio - Cerca de 30 pessoas foram ao sepultamento da dançarina de funk Zulmariana Chareet Oliveira, a Mary Morena, de 26 anos, no Cemitério de Ricardo de Albuquerque, na tarde de domingo. A moça morreu por apresentar parada cardíaca após ser submetida a uma cirurgia plástica nos seios e barriga, na clínica Centro Médico da Barra, na Barra da Tijuca.

O namorado de Zulmariana, Wallace Valadares, aos prantos no enterro da dançarinaCarlos Wrede

Namorado de Zulmariana há mais de dois anos,  Wallace Alfredo Valadares, 22 anos, disse que a jovem chegou a acordar após a operação e a conversar com parentes. Ela deveria receber alta neste domingo, e Wallace soube da morte enquanto dirigia para buscá-la na clínica. "Fiquei em choque. Estava no meio do caminho quando tive a notícia. Estava pronto para pedi-la em casamento no meu aniversário, dia 6 de julho. Já estávamos juntando dinheiro para comprarmos nossa casa e um carro. Eu falava que ela não precisava fazer nenhum retoque. Ela estava linda", contou Wallace, que é jogador de futebol profissional e atua na reserva do Atlético Mineiro. Segundo Wallace, Zulmariana pretendia estudar Direito. "Ela era cheia de planos", lamentou.

Segundo André Barros, 30 anos, primo de Zulmariana, a vaidade dela preocupava a família. "Todo mundo falava que era exagero fazer operação. Não tinha nada para retocar ali, que ela já era bonita. Agora, só ficamos com a dor de perder uma pessoa alegre e amada. A mãe dela fez aniversário um dia depois da morte da única filha. O desespero é enorme", contou o primo André Barros, de 30 anos.

Amiga desconfiou de médico

A dançarina de funk Thamires Bastos Silva, de 23 anos, a MC Thamy Delícia, disse que planejava fazer uma lipoaspiração com o mesmo médico, mas não se sentiu segura. "A Mary Morena fez a cirurgia de surpresa. Se eu soubesse, iria comentar que o médico me disse para eu operar mesmo sem estar com todos os exames prontos, que era para levar os que eu tinha. Agora, não vou fazer nem com ele e nem com ninguém", desabafou.

Enterro da dançarina Mary Morena ocorreu no cemitério de Ricardo de AlbuquerqueCarlo Wrede / Agência O Dia

De acordo com familiares, o médico Luiz Antônio Lima - responsável pela cirurgia de Mary Morena - arcou com todas as despesas do velório. A família aguarda o laudo da necrópsia, previsto para 90 dias, para comentar sobre o procedimento médico e a morte da dançarina. 

Sobre a morte da dançarina, o médico declarou ao O DIA que a jovem omitiu o uso de anabolizantes e silicone líquido em músculos e que a informação teria custado a vida da moça. Ele também alegou que só ficou ciente dessa informação quando o namorado de Zulmariana, Wallace Alfredo Valadares, teria confessado que a dançarina não admitiu fazer uso das substâncias. Para o cirurgião, a operação estaria descartada devido aos riscos.

Lima também considerou que é praticamente impossível a anestesia ter provocado o óbito. “Não havia resquício de medicação mais depois de cinco horas. Porém, se for comprovado que a paciente consumia tais substâncias, pode ser a causa da taquicardia, já que anabolizantes provocam hipertrofia de músculos, inclusive coração, e o silicone líquido se desloca pelo corpo, podendo atingir até o órgão”, explicou.

Nota da clínica Centro Médico da Barra

Em nota, a assessoria de imprensa da clínica Centro Médico da Barra informou que, segundo o médico Luiz Antônio Lima, que operou a dançarina, a cirurgia correu dentro do esperado e a paciente chegou a sair do centro cirúrgico para conversar com parentes. Ainda de acordo com a nota, Zulmariana se sentiu mal, foi socorrida e faleceu na sala de recuperação pós-operatória de causa ainda desconhecida.

.




Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia