Corpo de aluno da Escola Naval que passou mal em treinamento é sepultado

Jean Caleb Maroto Souza morreu na noite deste sábado

Por cadu.bruno

Rio - Foi enterrado neste domingo, por volta das 17h30, o corpo do aluno da Escola Naval Jean Caleb Maroto Sousa, 22 anos. O jovem estava internado na UTI do Hospital Naval Marcílio Dias, na Zona Norte, e morreu no sábado, em decorrência de problemas respiratórios causados por um treinamento na Base de Fuzileiros Navais, na Ilha do Governador, no último dia 4.

O enterro contou com a presença de oficiais da Marinha e teve honras militares, além de um cortejo acompanhado de ‘Marcha Fúnebre’. Familiares e amigos do rapaz criticaram os treinamentos praticados na instituição e a forma como os aspirantes são tratados.

“Ele era um menino saudável, nunca teve problemas respiratórios. O treinamento foi pesado, a Marinha precisa rever esse tipo de exercício. O Brasil não é um país de guerra, essas preparações são desnecessárias”, criticou Miriam de Oliveira Souza, prima de Jean.

Aspirante morto após treinamento é enterrado com honras militaresMaíra Coelho / Agência O Dia

Tio do rapaz, Danielson Maroto contou que a família recebeu informações muito lentamente sobre o estado de saúde do aspirante. “Só soubemos que o caso era grave uma semana depois de ele estar internado”, afirmou. Segundo ele, mesmo no hospital, Jean ainda pensava em voltar para a Escola Naval. “Quando o visitei, ele disse que ia ficar bem e se recuperar para voltar aos treinamentos”, disse Danielson.

Luan Maroto, primo de Jean, afirmou que o rapaz amava estar na Marinha. “Ele tocava bateria, era tranquilo. Faria 23 anos esta semana. Minha avó e a mãe dele nunca imaginaram ter que enterrar um menino cheio de planos, cheio de vida”, lamentou.

Pai de um dos melhores amigos do jovem, o guarda municipal Antônio Vicente acredita que a preparação dos alunos na instituição é desumana. Ele disse ter implorado para o filho, Moisés Trindade da Luz, 22, deixar a Escola Naval. “Ele estava sempre cansado, triste, doente. Era muito sofrimento. Quando meu filho saiu, fiquei aliviado”, falou.

De acordo com a Marinha, uma das etapas do treinamento consistia em atravessar um túnel de cerca de três metros com a presença de fumaça. Em nota, a instituição informou ainda que a apuração dos fatos está sendo conduzida por meio de um inquérito policial militar.

Amigo de Jean segue internado

Também aspirante da Escola Naval, Vinícius da Silva Cunha, 22 anos, estava no mesmo exercício que Jean e ainda segue internado no Hospital Naval Marcílio Dias, em Lins de Vasconcelos. Ele saiu da UTI e. no momento, está no quarto em observação.

Segundo a família do rapaz, Vinícius e Jean eram muito próximos. O jovem recebeu a notícia da morte do amigo pela mãe, Elizabeth Maria da Silva. “Ela foi para o hospital hoje, dar a notícia. Não queria que ele soubesse da morte de Jean por outra pessoa que não fosse ela”, contou Ana Carolina Rangel, prima do aspirante.

De acordo com a jovem, Vinícius está na Marinha há cinco anos e sempre teve orgulho da instituição. “Quando ele entrou na Escola Naval, escreveu uma carta para o avô, que também era marinheiro, dizendo o quão realizado estava por seguir seus passos”, disse Ana Carolina.

Segundo ela, a mãe de Vinícius sempre se preocupou com os treinamentos aos quais os alunos da instituição de ensino da Marinha são submetidos. “Ela fica muito apreensiva, com medo de que alguma coisa aconteça com o filho”, afirmou a jovem.

Entenda o caso

Os aspirantes Jean Caleb Maroto e Vinícius da Silva Coelho foram levados para o Hospital Naval Marcílio Dias por apresentarem problemas respiratórios após treinamento na Base de Fuzileiros Navais da Ilha do Governador. De acordo com o 1º Comando do Distrito Naval, os alunos apresentaram queixas respiratórias após instruções sobre técnicas de combate.

O caso ocorreu no último dia sete. Segundo a Marinha, os dois alunos foram liberados no mesmo dia para regresso à Escola Naval (EN), onde permaneceram em observação na enfermaria. No dia seguinte, foram encaminhados para o Hospital Naval Marcílio Dias (HNMD) para a realização de exames complementares. Após avaliação, foi indicada a internação na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) daquele hospital, onde receberam o tratamento específico adequado.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia