Exército aponta quadrilha de TH como responsável pela morte de militar na Maré

Militares abriram um inquérito policial para apurar o assassinato do cabo Michel Augusto Mikami, na última sexta-feira

Por paulo.gomes

Cabo Michel Augusto Mikami morreu na última sexta-feira após ser baleado durante confronto no Complexo da MaréReprodução Facebook

Rio - O Exército afirmou nesta segunda-feira ter aberto um inquérito policial militar para apurar a morte do cabo Michel Augusto Mikami, de 21 anos. Ele foi baleado durante confronto com bandidos no Complexo da Maré, na última sexta-feira. De acordo com as investigações, os suspeitos do assassinato fazem parte da quadrilha do traficante Thiago da Silva Folly, o TH, apontado como o chefe do tráfico na região.

Segundo a nota divulgada pela Força de Pacificação, os militares estão realizando ações especificas para prender todos os envolvidos na morte do militar. O secretário de Segurança do Estado, José Mariano Beltrame, repudiou nesta segunda a ação dos marginais que culminou com a primeira morte de um militar na Maré após a ocupação, ocorrida em abril.

"Acho que esses marginais, totalmente desprovidos de qualquer sensibilidade ou noção direito do que é certo ou errado, mataram covardemente com um tiro colocado, um militar que estava de colete, que estava de capacete, e simplesmente mataram e não tiveram nenhum tipo de respeito a instituição Exército brasileiro, assim como eles não têm respeitos as instituições policiais", disse Beltrame, em entrevista para a CBN.

Sepultado no domingo, na cidade de Vinhedo, em São Paulo, o cabo Mikami foi baleado na cabeça por traficante na Vila dos Pinheiros. Ele foi socorrido e levado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Vila do João e, logo depois, transferido para o Hospital Central do Exército, em Triagem, mas não resistiu.

Durante o enterro, muito emocionada, a mãe do militar desabafou: “Um inocente morreu, e os bandidos devem estar lá comemorando”.

Vídeo que circula na internet mostra Michel chegando à UPA numa maca, desacordado e com a cabeça enfaixada. De acordo com a assessoria da Força de Pacificação, o militar servia no 28º Batalhão de Infantaria Leve, localizado na cidade de Campinas, em São Paulo. Ele deixaria o Complexo da Maré nesta quarta-feira.

Dilma e Pezão lamentam a morte de militar

O governador Luiz Fernando Pezão também lamentou a morte do militar e salientou que, em parceria com o governo federal e a Força de Pacificação, seguirá firme no processo de pacificação daquela comunidade. “Minha solidariedade à família do militar, que perdeu a vida na defesa da paz. Nada nos fará recuar”, garantiu o governador.

Em nota, a presidenta Dilma Rousseff lamentou a perda: "É com pesar que recebi a notícia da morte de Michel Augusto Mikami, cabo do Exército baleado na cabeça por bandidos durante patrulhamento no conjunto de Favelas da Maré, no Rio, nesta sexta-feira. Ele morreu no cumprimento do dever, na missão de pacificação empreendida pelo Exército Brasileiro. Quero expressar minha dor e minha solidariedade à família e aos amigos de Michel".

Michel era considerado bastante querido entre os militares da Maré. Vaidoso, gostava de exibir fotos fardado e armado em redes sociais. Também na sexta-feira, um blindado da Força de Pacificação caiu num canal na Avenida 2, na localidade conhecida como Conjunto Esperança, após perder a direção depois de ser alvejado por bandidos.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia