Estudantes da UFF protestam e Polícia Federal é acionada

Alunos estiveram no Valonguinho e no Gragoatá e, segundo a universidade, chegaram a impedir a entrada de professores e funcionários que não aderiram à greve

Por paloma.savedra

Rio - A Polícia Federal foi acionada para conter protestos de estudantes da Universidade Federal Fluminense (UFF) nos campi do Valonguinho e do Gragoatá, em Niterói, nesta terça-feira. A Polícia Militar também foi aos prédios da instituição para coibir possíveis tumultos. 

Segundo informações, houve confusão durante a manifestação no Valonguinho pela manhã: alunos teriam tentado impedir a entrada de funcionários e professores que não aderiram à greve. 

Alunos, professores e técnicos administrativos da UFF estão em greve desde a última quinta -feira (28 de maio). Eles reivindicam a regularização do pagamento de funcionários terceirizados — que não recebem há meses —,  a suspensão do calendário acadêmico, reabertura do bandejão do campus da Praia Vermelha, e o pagamento imediato das bolsas de monitoria.

Nesta segunda-feira, os estudantes se reuniram em assembleia para decidir sobre uma possível ocupação do prédio da Reitoria. Durante a reunião, a universidade enviou um comunicado ameaçando parar as negociações caso a ocupação ocorresse. Os alunos desistiram da ação. 

"Ontem estava na reunião de alunos na qual ficou decidido que não haveria ocupação. Enquanto ocorria a reunião, o reitor enviou por e-mail um comunicado dizendo que cancelaria as futuras negociações porque os estudantes decidiram ocupar novamente a reitoria", contou a estudante Raissa Vidal.

E nota publicada nesta terça-feira, a UFF informou que formalizou o "pedido de reintegração de posse junto à justiça federal", para desobstruir os campi, "para que os serviços essenciais fossem executados". 

Reportagem de Luisa Cabral

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia