Secretário diz que foi desumano caso do trem que passou sobre corpo

Carlos Roberto Osório promete punição severa aos responsáveis pelo fato que aconteceu na última terça-feira

Por paulo.gomes

Rio - O secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osório, condenou nesta quinta-feira a ação de um agente da SuperVia que autorizou que um trem passasse sobre um corpo que estava nos trilhos da estação de Madureira. Ele classificou o fato que aconteceu na tarde da última terça como uma desumanidade.

"O que aconteceu em Madureira é um absurdo, uma situação que não pode acontecer em hipótese nenhuma. Foi um desrespeito, uma desumanidade você autorizar um trem passar por uma via que está interrompida por um corpo de uma pessoa morta", disse o secretário para o RJTV.

Homem morre nos trilhos e trem da SuperVia passa sobre cadáver

Mulher que teve braço decepado em acidente de trem espera indenização

Homem é atropelado em ponto de ônibus por carro desgovernado

Na tarde da última terça-feira, o vendedor ambulante Adílio Cabral dos Santos morreu atropelado ao cruzar a linha do trem em Madureira. O agente da concessionária, em vez de aguardar a remoção do corpo, que aconteceu quase três horas após o acidente, dá sinal para que a composição seguisse viagem. Osório afirmou que está sendo investigado quem foi realmente o culpado pela atrocidade.

"Temos uma flagrante irregularidade e agora temos que investigar as causas dessa irregularidade: se foi uma ação do operador com o maquinista, qual é o posicionamento do centro de controle, chamar a SuperVia a responsabilidade e punir severamente os responsáveis por esse ato que é lamentável e que repudiamos com toda veemência", diz.

LEIA MAIS: Agente autoriza maquinista e trem passa sobre corpo em Madureira

Em nota, a SuperVia alegou que "o procedimento adotado na tarde de terça-feira, em que um trem seguiu viagem em velocidade reduzida na linha bloqueada em função de um atropelamento, está fora dos padrões adotados pela concessionária. A concessionária informa ainda que abriu uma sindicância para investigar internamente o que levou a essa decisão e reforça que tem como princípios básicos de conduta o respeito ao próximo". O caso foi registrado na 29ªDP (Madureira).

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia