Mulher perde braço em acidente na SuperVia e quer indenização

Além das dificuldades de locomoção e readaptação, ela aguarda uma ajuda da concessionária, mas não tem certeza se irá chegar

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - Na noite de 15 de junho, Naiara de Sousa Ramalho perdeu o braço direito,  decepado por uma composição da SuperVia. Foi após um assalto, na estação Edson Passos, em Mesquita, quando voltava da faculdade. Desde então, passou por um calvário e agora espera indenização.

Homem morre nos trilhos e trem da SuperVia passa sobre cadáver

Secretário diz que foi 'desumano' e promete 'punição severa'

Homem é atropelado em ponto de ônibus por carro desgovernado

“Tenho me agarrado em Deus para continuar”, diz a moça de 27 anos que sonha em ser professora de História. Além das dificuldades de locomoção e readaptação, ela aguarda uma ajuda da SuperVia, mas não tem certeza se irá chegar.

Naiara Ramalho%3A “Tenho me agarrado a Deus mas está difícil”Carlos Moraes / Agência O Dia

Quando estava internada no Hospital da Posse, onde ficou por um mês e nove dias, Naiara recebeu a visita de uma assistente social da concessionária, que tentou eximir a empresa da culpa no acidente. “Ela disse que era um problema de segurança pública, que a responsabilidade era da Secretaria de Segurança.”

Para ela, no entanto, o problema não se resume a falta de policiamento na estação. “A responsabilidade é da SuperVia, eu estava dentro da estação e não teve nenhum tipo de aviso. As portas abriram e fecharam.” Naiara ficou presa pela mochila e foi arrastada pela estação, caiu em um buraco. Foi então que o trem passou sobre o seu braço direito. “Nem sei como não senti dor na hora, fiquei lúcida sangrando no chão.”

O socorro, ela não sabe exatamente quanto tempo demorou a chegar, mas lhe pareceu uma eternidade. “Na hora sabia que teriam que amputar, minha mão estava branca”.

Após os 40 dias internada, Naiara sente-se como uma criança, todo e qualquer movimento é novidade. “Estou reaprendendo a escrever, andar, comer. É difícil. Às vezes meu corpo esquece que não tenho mais braço, perco o equilíbrio.” Ela conta com a ajuda da mãe para as tarefas mais básicas. “Minha filha era frenética, trabalhava, estudava. Quero que a SuperVia a indenize”, afirma Dinalva Sousa, de 46 anos.

SuperVia culpa governo do estado

Em nota, a SuperVia afirmou que a segurança no sistema ferroviário é atividade exclusiva do Governo do Estado e que, portanto, não tem responsabilidade sobre o drama de Naiara, uma vez que o acidente foi provocado por um assalto.

Já a Secretaria de Transportes afirma que a SuperVia deve prestar todo o auxílio a seus clientes em casos de acidentes em suas instalações. A Secretaria informou que irá averiguar as providências tomadas em relação à Naiara.

Segundo o advogado David Nigri, a SuperVia é a responsável. “O código de defesa do consumidor diz que qualquer situação que incida em dano, tem que ser indenizada”.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia