Mais Lidas

Pezão diz que o ano de 2016 'não será tão difícil' como foi 2015

Em evento, governador ressalta racionalização de gastos com saúde, segurança e educação como forma de driblar a crise e afirma que não aceitará a inadimplência do empresariado

Por tiago.frederico

Rio - Luiz Fernando Pezão falou nesta segunda-feira sobre o planejamento do Estado para driblar a crise em 2016. Presente no evento onde tomou posse o novo comandante-geral da Polícia Militar, o coronel Duarte dos Santos, o governador, ao lado de seu secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, disse que este "ano não será tão difícil" quanto foi 2015 e afirmou que está mantido no sétimo dia útil o pagamento dos servidores. No evento, o governador ainda falou da racionalização de gastos com saúde, educação e segurança.

"Vamos nos adaptar aos recursos que a gente recebe. Nós recebemos muito pouco pelo que a gente presta de serviço. A nossa rede vai ter o tamanho do que for compactuado com as prefeituras e com o governo federal", afirmou Pezão sobre a saúde, que também ressaltou que serão feitos cortes na segurança, área com a maior fatia do orçamento.

LEIA MAIS: Militar com fama de diplomata assume o comando da Polícia

Pezão em posse do novo comandante da PM. Otimista%2C ele acredita que 2016 'não será tão difícil' como foi 2015Severino Silva / Agência O Dia

De acordo com o governador, contratos com fornecedores serão revistos e não será tolerada a inadimplência do empresariado. "Uma das coisas que eu vou mais lutar e que a gente preparou um grande trabalho foi contra a inadimplência do nosso empresariado. Não dá para o Estado conviver com as inadimplência que nós tivemos durante o ano de 2015", afirmou Pezão, ressaltando: "As leis que nós tínhamos que aprovar, nós aprovamos. Mostramos que nós temos um ambiente fraterno para a geração de renda e emprego, mas isso ainda não se mostrou suficiente. A gente ainda tem uma inadimplência muito grande aqui no estado".

Ainda no evento, Pezão defendeu parcerias com líderes religiosos e um pacto pelo desarmamento como estratégias para enfrentar a violência armada no estado. "Não dá para ter outro ano igual 2015. Vou usar de todas as minhas forças para combater a entrada de armas ilegais no Rio. Temos que fazer um grande pacto pelo desarmamento e desarmar a população", disse.

Dentre os desafios a serem encarados pelo coronel Edison Duarte Jr., estão os ataques a policiais em comunidades patrulhadas por UPPs. Só na primeira quinzena de dezembro, 12 PMs foram mortos em conflitos. O número representa mais da metade dos registros de mortes de PMs em serviço computados no estado. Em 2015, 23 PMs foram assassinados e 615 pessoas acabaram mortas em supostos confrontos com os policiais, números que renderam à PM o título de “polícia que mais mata e mais morre no Brasil”.

Nos últimos quatro anos, o coronel esteve à frente da preparação e planejamento da PM para os grandes eventos, em especial para a Copa das Confederações da Fifa e Jornada Mundial da Juventude. Também comandou o 4º BPM (São Cristóvão), responsável pelo patrulhamento ostensivo nos arredores do Estádio do Maracanã na Copa do Mundo de 2014.

Formado em Direito e com MBA em Gestão de Segurança Pública pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), o novo comandante da PM tem vasta experiência em missões internacionais na República Dominicana, Haiti, África do Sul, Israel e Londres. No Panamá, colaborou com o governo para a implantação do modelo de Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) naquele país.

Reportagem da estagiária Maria Clara Vieira

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia