Yedda Gaspar, presidente da Federação dos Aposentados do RioReginaldo Pimenta

Tradicionalmente, na primeira sexta-feira do ano, nós, da Faaperj, comparecemos à Basílica de São Sebastião, na Tijuca, onde recebemos as bençãos dos Capuchinhos e aproveitamos para distribuir panfletos à população, denunciando a precária situação dos aposentados e pensionistas, além de apresentamos as nossas reivindicações.
Este ano, devido a pandemia do novo coronavírus, agravada pelo surto da gripe Influenza, achamos mais prudente não realizar a nossa manifestação. Mas as nossas reivindicações continuam.
E, entre essas reivindicações, a principal sempre foi, ao longo dos anos, a recuperação do nosso poder de compra em relação ao salário-mínimo, que, independentemente da ideologia de quem se hospedou no Palácio da Alvorada, sempre teve aumentos com índices superiores aos destinados a quem ganha mais do que o piso nacional. Resultado: estamos com uma defasagem salarial de mais de 90%.
Os vários governos sempre se recusaram a aceitar a recuperação dos nossos salários com a alegação de que a Previdência Social já era deficitária e que não podiam aumentar o rombo. Por mais que provássemos que o tal déficit da Previdência era fake, como ficou demonstrado pela CPI do Senado, os governantes não admitiam e a Câmara se recusava a pôr em votação o Projeto de Lei 4.434/08, que recupera o nosso poder de compra em cinco anos.
Agora, no entanto, a máscara caiu, quando o próprio Congresso prorroga até 2023 a chamada desoneração da folha. E o que isso significa? Que os principais setores da Economia de nosso país não mais pagarão os 20% sobre a folha de salários para a Previdência, mas uma alíquota de 1% a 4,5% sobre a receita.
Ora, a Previdência não está falida? Não é por isso que os nossos salários não podem ser corrigidos, em relação ao salário-mínimo? Então, como é possível a Previdência abrir mão dos 20% que as empresas deveriam pagar a ela?
Vamos voltar, com toda força, a exigir a correção das nossas aposentadorias e pensões. Que São Sebastião e a fé dos Capuchinhos nos ajudem!

Yedda Gaspar é presidente da Federação das Associações dos Aposentados e Pensionistas do Estado do Rio de Janeiro.