Petrópolis vai sediar encontro da ONU sobre escolas seguras e cidades resilientes

Município foi escolhido pelo pioneirismo e resultados do Projeto Defesa Civil nas Escolas

Por Ney Freitas

Os números do Defesa Civil nas Escolas no último semestre chamam a atenção. Foram mais de 20 mil alunos envolvidos em 631 atividades
Os números do Defesa Civil nas Escolas no último semestre chamam a atenção. Foram mais de 20 mil alunos envolvidos em 631 atividades -
Petrópolis - A cidade de Petrópolis foi selecionada para sediar o encontro das Organização das Nações Unidas (ONU) sobre escolas seguras e cidades resilientes no Brasil. O anúncio oficial da escolha aconteceu nesta semana e teve como motivo o trabalho desenvolvido pela atual gestão municipal no Projeto Defesa Civil nas Escolas. O programa, que é pioneiro no país, reuniu mais de 20 mil alunos em 631 atividades no primeiro semestre deste ano. Graças a essa proposta de trabalhar a prevenção de desastres em sala de aula, a cidade também está alinhada à estratégia internacional de redução do risco de desastres da ONU.
Além de Petrópolis, o encontro da ONU – programado para acontecer em março de 2020 – vai reunir experiências realizadas em Campinas, São José do Rio Preto, Vinhedo e Itatiba sobre os temas. "Em Petrópolis nós entendemos que vem sendo feito um trabalho de acordo com o programa Escola Segura, Escola Resiliente, promovido pela ONU. É muito importante que este tipo de atividade seja levado também para outras regiões do nosso país", ressaltou Sidnei Furtado, promotor da ONU no Brasil. Ele conheceu o Defesa Civil nas Escolas durante o III Colóquio de Defesa Civil de Petrópolis realizado em outubro deste ano.
Além do programa, a elaboração dos planos municipais de Inverno e Verão e suas matrizes de atividades e responsabilidades, e do programa SOS Chuvas, colocou Petrópolis como uma das cidades indicadas com potencial para se transformar em modelo mundial para a redução do risco de desastres. A ONU listou 50 municípios nas Américas, sendo apenas sete no Brasil e dois no Rio de Janeiro.

As atividades foram realizadas em 183 escolas da rede municipal, 30 particulares e outras duas estaduais. "Além dessa reunião, também participamos do encontro de Defesa Civil de Grandes Metrópoles. Cada vez mais o município está se destacando pelo trabalho de prevenção realizado", destacou o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato. O Defesa Civil Jovem também engloba esse trabalho e foi lançado em outubro, como forma de entrar nas salas de aula do ensino médio através dos jovens.

A Iniciativa Global de Escolas Seguras é liderada pelo Escritório das Nações Unidas para a Redução de Riscos de Desastres da ONU e conta com a inscrição de 52 países pelo mundo inteiro. A iniciativa apoia os governos no desenvolvimento de estratégias nacionais e na implementação de escolas seguras, combinando seus quatro pilares: instalações seguras para a aprendizagem (infraestrutura resistente a desastres), gestão de desastres nas escolas, redução de risco de desastres e educação resiliente.

Já a Campanha Global "Construindo Cidades Resilientes" aborda questões de governabilidade local e risco urbano, na intenção de ajudar os governos locais a reduzir riscos e aumentar a resiliência em áreas urbanas através da aplicação do Marco de Sendai para a Redução do Risco de Desastres 2015-2030. Com cerca de 1000 municípios registrados na campanha Mundial, os governos locais brasileiros representam 25% dos participantes da Campanha em escala global, metade dos quais se situam no Estado de São Paulo.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários