Número de acidentes envolvendo motocicletas cresce em Petrópolis

Dados foram divulgados com base nos atendimentos da sala de trauma do Hospital Santa Teresa

Por Ney Freitas

Estatística foi apresentada na última semana pelo Hospital Santa Teresa
Estatística foi apresentada na última semana pelo Hospital Santa Teresa -
Petrópolis - Os números não mentem: 2019 revelou crescimento significativo relacionado aos acidentes de trânsito na cidade. No foco das estatísticas, as motocicletas e seus condutores.
"Tem muita moto na cidade porque tá mais fácil pegar moto que carro. Moto é mais barata pra comprar e pra manter e a gente ainda pode trabalhar com ela". A afirmação é de um entregador de produtos de uma das várias lanchonetes da cidade que pediu para não ser identificado, e colecionador de três visitas à sala de trauma do HST. "Já passei por lá três vezes. Já me chamam até pelo nome. Tem muito carro que não respeita a gente e ônibus também, aí fica ruim. Mas também tem muito motoqueiro abusado", completa ele.
Segundo levantamento realizado pelas principais montadoras de motocicletas do país, 2019 revelou um crescimento de 17% em toda a linha de produção para atender à demanda do mercado. O que se percebe nas ruas, hoje, são motocicletas disputando espaço com veículos de passeio, ônibus e caminhões e, muitas vezes, saindo em boa desvantagem. Nos acidentes atendidos na emergência do Hospital Santa Teresa, referência em trauma na cidade, 80% são relacionados às motos. Entre as vítimas, quase 70% são do sexo masculino. Acidentes de trânsito continuam representando a maior fatia da estatística. Entre os números de Petrópolis, revelados no último levantamento, 53% com envolvimento de motocicletas. Um número 14% maior que no ano anterior. De acordo com os boletins de ocorrência e atendimentos realizados pelo Corpo de Bombeiros, 29% dos condutores não possuíam carteira de habilitação.
Balanço geral divulgado pelo Hospital Santa Teresa
Na última semana o Hospital Santa Teresa divulgou o balanço de dezembro, trazendo um panorama de todo o ano de 2019 com relação aos atendimentos na Sala de Trauma, unidade de referência no atendimento às vítimas em estado grave no município. Os números falam por si só: 1.097 pessoas foram levadas para a unidade, representando uma média de 91 vítimas por mês, ou três por dia.
Acompanhando a estatística, o maior índice foi representado pelo mês de outubro, quando 112 vítimas de acidentes foram levadas à unidade. Janeiro de 2019 mostrou, também, um elevado número de atendimentos, com 102 casos. No último mês do ano houve 47 acidentes de carro, coincidentemente o mesmo número de casos envolvendo motocicletas
Dados do HST mostram, também, que em dezembro 80 pessoas (60,1% do total de 133) foram levadas à unidade hospitalar por equipes do Corpo de Bombeiros. Outras 30 (22,5%) foram encaminhadas pela Concer, a concessionária que administra a rodovia BR-040, 16 (12%) pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, o Samu e outras sete por meios próprios.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários