Após chuva, moradores de São Gonçalo contabilizam os estragos

'Perdi tudo' diz moradora do bairro Mutua; uma pessoa morreu e outras 200 estão desabrigadas, diz prefeitura

Por rafael.souza

Rio -  Após o temporal que atingiu o Rio e principalmente São Gonçalo, na Região Metropolitana, na noite dessa quarta-feira, moradores de vários bairros do município contabilizam na manhã desta quinta-feira os estragos. Os problemas causados pela chuva prejudicaram principalmente quem mora em Mutua, Barro Vermelho, Neves, Colubandê e Alcântara.

GALERIA: Temporal causa estragos em São Gonçalo

Enfermaria do Hospital Estadual Alberto Torres WhatsApp O DIA (98762-8248)

No bairro do Mutua o estrago foi maior. Moradores de uma vila de dez casas perderam tudo. A doceira Erci Rosa da Silveira, 50 anos, conta que com a chuva desta quarta ela perdeu todos os móveis de casa. Segundo Erci a água chegou a mais de um metro e meio dentro de sua casa.

"Perdi geladeira, fogão, televisão, perdi tudo", contou a mulher que nesta manhã limpava a sua casa, assim como todos os moradores da vila onde ela vive.

No mesmo local, uma vigilante foi atingida por um muro que caiu quando ela ajudava moradores a salvarem o que podiam. Laisnara de Andrade, 31 anos, sofrem apenas ferimentos leves. 

Outro que perdeu tudo foi Abel Sigmaringa, dono de um Pet Shop. Segundo ele, a água inundou sua loja e ele perdeu quase tudo. "Perdemos rações e muitas mercadorias. A água subiu até quase na altura de onde os peixes ficam", disse. "O meu prejuízo foi de mais de 10 mil reais", finalizou. 

De acordo com quem vive na vila o motivo no alagamento no local — além do grande volume de chuva que atingiu a cidade — seria uma obra feita no Partage Shopping São Gonçalo. Segundo eles, o estabelecimento colocou uma bomba para retirar a água que acumula no estacionamento e colocou um cano para a rua Floriano Lima. Com isso a rua ficou inundada.

Procurado, o Partage Shopping São Gonçalo disse que não foi usado qualquer tipo de bomba durante a chuva e nem subsequentemente, uma vez que o shopping estava sem luz até a manhã de hoje. O estabelecimento disse que não houve nenhuma obra no estacionamento e que "infelizmente os alagamentos costumam ser constantes em toda a cidade."

O Hospital Estadual Alberto Torres, no Colubandê, também foi afetado pelo temporal, tendo o setor de emergência alagado. De acordo com a direção da unidade, o bloco vermelho, onde encontram-se a emergência e outros setores, tiveram pontos de alagamento.

Segundo o hospital, o atendimento não foi interrompido e todas as medidas necessárias foram imediatamente tomadas, ainda durante a madrugada. A unidade funciona normalmente nesta quinta-feira.

??Desabrigados

Por conta do temporal, José Cardoso, de 70 anos, morreu afogado na própria casa, no bairro Sacramento. De acordo com a prefeitura, cerca de 200 pessoas ficaram desalojadas por conta dos alagamentos que atingiram casas em todo o município. De acordo com a prefeitura, elas foram abrigadas nas escolas Irena Barbosa Ornelas, em Jardim Catarina, e Marinheiro Marcílio Dias, no bairro Palmeiras.

Ainda segundo a prefeitura, este número deve diminuir por conta do nível da água que está abaixando e um novo balanço será divulgado na tarde de hoje. As secretarias de Assistência Social e Defesa Civil seguem trabalhando nas regiões afetadas.

Reportagem de Adriano Araujo e do estagiário Rafael Nascimento

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia