Onda que atingiu ciclovia era seis vezes mais forte do que a estrutura

De acordo com instituto, parte que desabou poderia aguentar até 0,55 toneladas. Mas ressaca teve potência de 3,1 toneladas

Por gabriela.mattos

Rio - A onda que atingiu a ciclovia no dia 21 de abril tinha seis vezes mais potência do que a parte da estrutura atingida que acabou desabando. A conclusão é de pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Hidroviárias  (INPH) e foi apresentada em uma coletiva de imprensa nesta sexta-feira. Segundo Domenico Acetta, diretor do Instituto, a laje que desabou poderia aguentar até 0,55 toneladas por metro quadrado. No entanto, a onda que atingiu a parte da ciclovia que desabou tinha uma potência de 3,1 toneladas. Na ação, duas pessoas morreram.  

Onda que atingiu ciclovia era seis vezes mais forte do que a estruturaAlexandro Auler / Agência O DIA

O estudo, que ainda não está concluído, foi apresentado pelo prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB) , que contratou o INPH e o Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia da UFRJ para realizar um laudo técnico sobre acidente. A partir das conclusões dos engenheiros uma reforma na ciclovia será feita. 

"Para mim está claro que houve um erro no projeto. Mas a prefeitura fez o projeto básico o executivo é da empresa. A Polícia Civil que irá fechar a investigação apontando os responsáveis", disse Paes. 

LEIA MAIS

Justiça determina reabertura parcial da ciclovia Tim Maia

Peritos afirmam que houve erro no projeto estrutural de ciclovia

?Quase metade dos contratos da Concremat foi emergencial

O prefeito também anunciou que a ciclovia será reformada e não destruída. A solução de engenharia para essa reforma de reforço — por ancoragem ou mais concreto —  ainda está sendo analisada. O consórcio responsável pela reforma será o mesmo que construiu a ciclovia, sem ônus para a Prefeitura.  

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia