Rio registra 43 PMs mortos neste ano

Bruno Couto foi alvejado, nesta sexta-feira, em Cordovil. 'Você é minha vida', desabafou mulher do policial em rede social

Por gabriela.mattos

Rio - Bruno Couto da Costa, de 32 anos, e Rosana Lima, 28, eram casados há cinco anos. Como alguns casais, tinham o sonho de ter filhos. Mas o plano deles foi brutalmente interrompido na noite de sexta-feira, na Rua Doutor Rufino de Alencar, no bairro de Cordovil, Zona Norte do Rio. “Agora me diz como vou viver? E nossos planos? Nosso filho para o ano que vem? Já estava tudo programado. E agora, amor? E agora, sem você?”, postou a viúva, em seu Facebook. “Volta para mim, você é minha vida, Bruno. Espero que Deus me leve o mais rápido possível”, desabafou.

O policial militar lotado na UPP Parque Proletário foi surpreendido por dois suspeitos armados, que se aproximaram e anunciaram o roubo. A dupla atirou e matou Bruno, que naquele momento virava mais uma vítima da violência contra policiais e um número de uma triste estatística. Até junho deste ano, 188 policiais foram baleados no Rio, e 43 deles morreram. Para efeito de comparação, no mesmo período de 2015, foram 13 policiais mortos.

Em rede social%2C viúva desabafa%3A “Agora me diz como vou viver%3F”Reprodução Facebook

“Bruno era a melhor pessoa do mundo”, relembra a viúva, amparada pela irmã, Rosi Rodrigues, na saída do Instituto Médico-Legal. Segundo Rosana, o oficial foi alvejado depois que os bandidos tentaram assaltá-lo e o reconheceram como policial. A mãe da vítima foi amparada e não tinha condições de falar. A cunhada de Bruno afirma que o Estado arcou com as despesas funerárias e fez um desabafo: “Cadê os Direitos Humanos? Os Direitos Humanos não funcionam para policiais. Ser policial no Rio é sentença de morte. A situação está cada vez pior, cada vez mais a violência aumenta”. O enterro foi ontem, às 16h, no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap.

?Reportagem de Gabriel Sobreira

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia